Não vai ter golpe, garantem comandantes das Forças Armadas

Apesar de setores da extrema direita, do governo Bolsonaro e até da esquerda esteja no “cio” nesta véspera de aniversário do golpe militar, em 31 de março, os comandantes das Forças Armadas juram que não haverá golpismo no Brasil.

Em meio à tempestade que atinge Brasília desde ontem (29/3), os chefes das três armas –Exército, Marinha e Aeronáutica– colocaram os cargos à disposição do presidente Jair Bolsonaro.

Os postos nas Forças Armadas são ocupados pelos seguintes militares: Edson Leal Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Bermudez (Aeronáutica). Eles ficaram magoados com a demissão do general Fernando Azevedo, ex-ministro da Defesa.

Azevedo foi demitido porque teria se recusado à medidas de exceção durante a pandemia, contra prefeitos e governadores, como gostaria o presidente Bolsonaro, que tentou transformar as Forças Armadas numa milícia bolsonarista.

Pujol, ministro do Exército, entrou alça da mira de Bolsonaro no ano passado. O general cumprimentou o presidente com o toque de cotovelo, numa solenidade em Porto Alegre, quando Bolsonaro dizia que se tratava de uma “gripezinha” a covid-19. A imagem correu o mundo e isso desagradou o mandatário. Veja o vídeo abaixo.

A turbulência entre Bolsonaro e as Forças Armadas foram ampliadas nas últimas semanas, sobretudo depois da antepenúltima live, em que o presidente ameaçou os brasileiros com uma ditadura militar. No entanto, os generais da ativa dizem que não aceitam, em hipótese alguma, que as instituições militares sejam usadas por Bolsonaro em qualquer iniciativa golpista.

Em síntese, as Forças Armadas garantem que não vai ter golpe outra vez no Brasil. A conferir.

LEIA TAMBÉM
Veja quem entrou e quem saiu do governo Bolsonaro

STF manteve punição a Deltan Dallagnol por ataque a Renan Calheiros