Um péssima notícia para Bolsonaro, mas boa para o Brasil: Flávio Dino assume presidência de consórcio da Amazônia Legal

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro não aguentou o impacto da informação e pediu para sair em férias, em São Francisco do Sul (SC), onde passeia de barco para pescar e descansar –a despeito da pandemia que já matou quase 200 mil pessoas.

Se é uma péssima notícia para o inquilino do Palácio do Planalto, então ela é boa para o Brasil. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), assumiu nesta segunda-feira (21) a presidência de consórcio da Amazônia Legal.

Por aclamação, um dos maiores críticos de Bolsonaro foi escolhido presidente do consórcio de estados que fazem parte da Amazônia Legal. Até então, esse consórcio era presidio pelo governador do Amapá, Waldez Góes (PDT). Dino permanecerá nos anos de 2021 e 2022 à frente do grupo, período em que Jair Bolsonaro se prepara para disputar a reeleição.

“Tive a honra e alegria de ser eleito presidente do Consórcio de Estados da Amazônia Legal”, disse Flávio Dino. “Agradeço a confiança dos colegas governadores da região. Vamos prosseguir na defesa da agenda do respeito às leis, da sustentabilidade e do desenvolvimento”, continuou.

A Amazônia Legal é formada por nove estados que abrangem a região Norte e parte do Centro-oeste e Nordeste: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Maranhão. Trata-se de uma área equivalente a 59% do território brasileiro.

De perfil combativo, Flavio Dino é, depois do governador João Doria, um dos maiores desafetos de Bolsonaro. No fim de outubro, quando o presidente foi ao Maranhão inaugurar obras, Dino ficou fora da lista de convidados do Palácio do Planalto.

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), falou sobre a escolha de Flávio Dino em sua rede social: “Aproveitamos para eleger Flávio Dino, por aclamação, como o novo presidente do consórcio, e desejamos um biênio de muito trabalho e sucesso no novo desafio”.

O consórcio da Amazônia Legal é o responsável pela interlocução com o governo federal sobre políticas públicas relacionadas à região, com destaque para a pauta ambiental.

Com informações de agências.