‘Dia do fogo’ no Pará foi ação de fazendeiros e empresários, apontam investigações

Publicado em 23 outubro, 2019

O ‘Dia do Fogo’ em Novo Progresso, no Pará, foi uma ação organizada em que diversas queimadas criminosas foram realizadas na região. Aconteceu em 10 e 11 de agosto. Agora as Polícias Civil e Federal estão reunindo provas de que as queimadas foram organizadas por fazendeiros e empresários locais.

Segundo matéria do Site Repórter Brasil, uma operação da Polícia Federal nesta terça-feira (23) apreendeu documentos e computador de presidente do Sindicato Rural de Novo Progresso, confirmando investigação da Polícia Civil de que organizadores das queimadas são pessoas influentes na Cidade.

.

LEIA TAMBÉM
Eduardo Bolsonaro acha que é D. Pedro e faz discurso do “fico”

Fiocruz: Queimadas na Amazônia afetam a saúde das crianças

Agosto tem recorde de queimadas na Amazônia desde 2010

.

Cacique Raoni diz que Bolsonaro incitou queimadas na Amazônia

Os responsáveis pelo ‘Dia do Fogo’ chegaram a fazer uma ‘vaquinha’ para pagar os custos do combustível usado para alastrar as chamas.

Além disso, contrataram motoqueiros para entrarem nas estradas de terra próximas à floresta espalhando o líquido inflamável. A ação triplicou os focos de incêndio na região.

.

O procurador Paulo de Tarso Moreira de Oliveira, do Ministério Público Federal em Santarém, também participa das investigações e entende que o objetivo do ‘Dia do Fogo’ era inviabilizar a fiscalização ambiental diante da profusão de focos de incêndio.

“Investigamos se as lideranças locais se associaram para mascarar a identificação da autoria, pois não há fiscalização capaz de fiscalizar tantos focos de incêndio ao mesmo tempo”, explica. “Dizer que não aconteceu o Dia do Fogo é ignorar claramente as informações dos satélites”, afirma.

As informações são do Repórter Brasil