Lula ataca em entrevista a Lava jato, Moro e Globo; assista

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) abriu fogo nesta quinta-feira (9), nos microfones da Rádio Gaúcha, contra a força-tarefa Lava Jato, o ex-juiz Sérgio Moro e a TV Globo.

Para o petista, a Lava Jato poderia ter sido um grande instrumento de combate à corrupção, porém, analisa, foi desvirtuada.

“As pessoas que cometeram crimes eram concursadas e estavam na Petrobras há 30 anos. O Moro, inclusive, que manteve sobre sua tutela o [Alberto] Youssef desde o Banestado, sabia de muitas coisas e permitiu”, disse.

De acordo com Lula, os procuradores da República de Curitiba transformaram a Lava Jato em um partido político.

“Pesquisem como vivem hoje os delatores. O que eles fizeram foi legalizar a corrupção. Quebraram as empresas e ao invés de punirem os donos, puniram os trabalhadores”, disparou.

O ex-presidente afirma que a ideia de fazer esse processo contra ele surgiu nos Estados Unidos. “A quem interessava destruir a indústria naval? Hoje está provado o envolvimento do FBI”, disse, referindo-se à recente reportagem da Agência Pública e do site The Intercept Brasil.

Lula disse ainda que o conluio tem a participação da velha mídia brasileira.

“Vou dar um exemplo: o caso envolvendo o Serra apareceu um dia na imprensa e depois desapareceu… Vocês perceberam? Se é o Lula… Ah, bota pelo menos três meses aí”, comparou.

“Eu tenho mais de 400 horas de Jornal Nacional contra mim. E se pesquisar o Moro tem 400 horas a favor. Basta ver que a Globo só citou duas matérias do Intercept, e pra se explicar porque foi citada.”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contestou a tese segunda qual os petistas seriam os responsáveis pela eleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em 2018.

“Dizer que o PT é responsável pelo Bolsonaro é uma heresia. Lembro sempre que no dia seguinte da eleição do Trump muita gente foi pra rua protestar. E o Trump disse: por que essas pessoas não foram votar na Hillary? O dado é que 8 milhões de americanos deixaram de votar”, filosofou o petista.

Assista à entrevista de Lula na Rádio Gaúcha:

LEIA TAMBÉM

URGENTE: Deltan Dallagnol é alvo de nova investigação no CNMP

Publicado em 9 julho, 2020

 

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), a pedido da OAB, instaurou um novo processo disciplinar contra o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa Lava Jato, no Ministério Público Federal do Paraná.

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em sua representação, pede apuração da conduta de procuradores da República lotados no grupo de trabalho da denominada força-tarefa da Lava Jato, nos estados do Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo, visando promover a responsabilização cabível e necessária aos envolvidos, se constatada a efetiva concretização dos fatos reportados.

Segundo a denúncia da OAB, também retratada aqui pelo Blog do Esmael, um pedido de “demissão” do grupo de trabalho da força-tarefa Lava Jato, lotado na Procuradoria-Geral da República (PGR), teria ocorrido após a subprocuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, “solicitar informações sobre as investigações levadas a efeito pelos respectivos integrantes em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo”.

A OAB ainda pede providências das seguintes ilicitudes cometidas pela Lava Jato:

  • teria realizado cooperação com autoridades de polícia judiciária estrangeira sem utilização dos canais legais competentes.
  • supressão de patronímicos (sobrenome) de autoridades para se evadir às regras delimitadoras das atribuições ministeriais na origem
  • suposto emprego ilícito de equipamentos estrangeiros para violação continuada do sigilo constitucional de dados e de voz

Na decisão do conselheiro Otávio Luiz Rodrigues Junior, do CNMP, foi dado o prazo de 15 dias para que Deltan Dallagnol se explique ao órgão.

O CNMP também pediu mais informações ao PGR Augusto Aras, chefe de Deltan, e notificou o corregedor-geral do MPF.

Clique aqui para ler a íntegra da decisão do CNMP.