Reforma administrativa, o novo ‘conto do vigário’ de Bolsonaro, Guedes e velha mídia

Congresso, mídia e Bolsonaro falam a mesma língua quando o assunto é retirar direitos do povo.
O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é uma mentira do início ao fim, com o apoio da velha mídia. Tudo vale para retirar direitos. Até mesmo fazer a sociedade cair no ‘conto do vigário’.

Provavelmente, o leitor já ouviu antes que:

  • a reforma trabalhista vai gerar 4,3 milhões de novos empregos;
  • a reforma da previdência vai gerar 6 milhões de novos empregos;
  • a reforma administrativa vai melhorar os serviços públicos; e
  • se todas as reformas forem aprovadas, o dólar vai cair.

Nunca se mentiu tanto em tão pouco tempo com o objetivo de ludibriar o povo brasileiro. Nunca foi arrancado tantos direitos dos trabalhadores e da população em tão curto espaço de tempo.

A velha mídia, que não critica o desastre na economia, passou a campanha garantindo que se o eleitor votasse em Bolsonaro quem governaria o Brasil seria o ministro Paulo Guedes. Está aí a M…

LEIA TAMBÉM
Coronavírus, seu safado, chegou no Brasil só depois do Carnaval para subir o dólar a R$ 5

Efeito Bolsonaro: Dólar dispara e chega pela primeira vez em R$ 4,47

Bolsonaro propõe acabar com Globo e Folha, mas elogia o surgimento da CNN Brasil

A reforma administrativa de Bolsonaro e Guedes tem os seguintes objetivos:

  • eliminar o Regime Jurídico Único (RJU);
  • acabar com a estabilidade do servidor;
  • extinguir a garantia de irredutibilidade salarial;
  • permitir a redução de salário e de jornada;
  • ampliar o estágio probatório;
  • reduzir o salário de ingresso no serviço público;
  • proibir as progressões e promoções automáticas;
  • ampliar o tempo de permanência na carreira; e
  • criar carreirão transversal, cujos servidores serão contratados pela CLT e distribuídos para os órgãos governamentais.

A reforma administrativa tem o condão de desmontar o serviço público para garantir o superávit primário (recursos usados para o pagamento dos juros). Ou seja, garantir a remuneração de especuladores em detrimento da qualidade do atendimento na saúde, na educação, no INSS, por exemplo.

A mídia e o governo, sempre juntos, tentam aplicar um novo ‘conto do vigário’ ao afirmar uníssonos que a reforma administrativa é fundamental para que o Estado não seja “cooptado por interesses ilegítimos”.

Acredita quem quiser nessa mentirada. A questão é patológica, portanto.