Coronavírus, seu safado, chegou no Brasil só depois do Carnaval para subir o dólar a R$ 5

Compartilhe agora
Coronavírus é o novo “conto do vigário” para justificar a alta no dólar, quase R$ 5.

O Brasil foi transformado no país da piada pronta pela velha mídia e o presidente Jair Bolsonaro. Vide o caso do coronavírus. Essa epidemia, safada, só chegou nestas plagas depois do Carnaval. Esperou a Quarta-Feira de Cinzas para apavorar na economia, etc. e tal.

O leitor do Blog do Esmael já sabia há muito tempo que Paulo Guedes e Bolsonaro fraquejariam na economia. Eles levaram a nação à recessão, ao desemprego e à miséria porque optaram pelo privilégio ao mercando financeiro ao invés da produção e do consumo. Eles são os culpados pela bancarrota, não o pobre coronavírus que chegou após a festa de Momo.

O economista Eduardo Moreira ironizou nesta quinta-feira (27) o esforço da mídia para responsabilizar o pobre vírus por todos os males que fizeram Bolsonaro e Guedes aos brasileiros.

“Ah esse coronavírus que não taxa os dividendos dos ricos”, disse o economista.

Segundo Moreira, a culpa é do coronavírus “que não paga os benefícios do INSS e do Bolsa Família em dia.”

“Que não apresenta projeto para o desenvolvimento do país.”

“Que faz o setor financeiro roubar toda a riqueza produzida.”

O economista Eduardo Moreira ainda arremata dizendo que sempre, mas sempre mesmo, soube que a culpa era toda do coronavírus.

O coronavírus é o “conto do vigário” da mídia, que sustentou a farsa Bolsonaro e Guedes, bem como o criminoso assalto aos cofres públicos.

LEIA TAMBÉM
O conto do vigário: “dólar a R$ 4,20 se a reforma da Previdência não passar”

Bolsonaro agora diz que vídeo chamando para manifestação era de 2015

A internet não perdoa: O vírus da tragédia nacional é o #CoronaBozo

Witzel sugere impeachment de Bolsonaro por ataque à democracia

Risco Bolsonaro eleva dólar a R$ 4,20; Fora Dilma pedia dólar a R$ 1,99

Quanto ao dólar, bem, é outro golpe da velha mídia e dos demais velhacos da República. Senão vejamos:

  • 2016 – Se tiramos a Dilma, o dólar cai.
  • 2017 – Se sair a reforma trabalhista, o dólar cai.
  • 2018 – Se elegermos o Paulo Guedes, votando no Bolsonaro, o dólar cai.
  • 2019 – Se sair a reforma da previdência, o dólar cai.
  • 2020 – Dólar alto é bom, todo mundo estava indo para a Disney.

O dólar fechou a cotação hoje em R$ 4,475. É o novo recorde de desvalorização do real frente à moeda americana. Já a bolsa, coitada, seguiu a tendência de queda com 2,59 negativos. Ontem despencou 7%.

A estimativa é de que as empresas com ações negociadas na Bolsa de Valores brasileira perderam em dois dias R$ 400 bilhões em valor de mercado.

Em tempo: no dia 31 de outubro de 2018, após a eleição, o Blog do Esmael registrou Jair Bolsonaro já projetava o dólar a R$ 5; logo, não se trata de acidente, mas de barbeiragem na condução da economia.