Morales se retrata da sugestão de criar milícias na Bolívia

Depois de receber “uma chuva de críticas” na Bolívia e na Argentina, onde espera por asilo político, o ex-presidente Evo Morales retratou-se, nesta quinta-feira (16), de sua proposta de criar “milícias populares” e destacou que sua “convicção mais profunda sempre foi a defesa da vida e da paz”.

“Há alguns dias, tornaram-se públicas declarações minhas sobre a formação de milícias. Me retrato delas”, afirmou o ex-presidente boliviano em sua conta no Twitter, em referência a afirmações feitas domingo passado (12) em uma entrevista radiofônica.

LEIA TAMBÉM:
Lula recomenda livro a Bolsonaro para aprender como não deixar 2 milhões na fila do INSS

Apesar das filas no INSS, Bolsonaro anuncia privatização do Dataprev

PSOL aciona Justiça pela demissão imediata do secretário de Comunicação de Bolsonaro

No início da tarde, o governo interino da Bolívia rechaçou a retratação de Morales de suas declarações sobre a formação de milícias armadas no país e reiterou que o ex-mandatário e deve responder à justiça por crimes de sedição e terrorismo.

“Ninguém vota nele [Morales] no país. Ele saiu porque queria, e aqui estamos esperando por ele. Se ele tem problemas com a Justiça, tem que responder”, disse o ministro da Justiça do governo interino, Álvaro Coimbra.

Morales enfrenta um mandado de prisão por incitação a cometer crimes, sedição e terrorismo.

“A liderança de Evo Morales perdeu o norte com declarações muito infelizes, e isso não tem nada a ver com o que o país quer”, afirmou o ministro. Segundo Coimbra, os bolivianos querem eleições, um governo estável, que forneça uma economia estável, que lhes dê trabalho e que todos se reconciliem.

Argentina
As declarações de Evo Morales também foram condenadas pelos deputados da União Cívica Radical (UCR), que, nesta quarta-feira (15), apresentaram ao Congresso argentino um projeto de resolução com o objetivo de negar o status de refugiado ao ex-presidente boliviano.

Evo Morales renunciou à Presidência em 10 de novembro do ano passado em meio a pressões militares e a grandes manifestações de protesto contra fraudes no processo em que foi eleito para o quarto mandato presidencial.

Após a renúncia, Morales pediu asilo no México e depois foi para a Argentina, onde se encontra atualmente.

As informações são da Agência Brasil.