Veja por que Dias Toffoli deixou os banqueiros rindo à toa

Compartilhe agora!

A gestão de Dias Toffoli no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) provocou uma crise de riso nos banqueiros que não conseguem parar de rir. À toa começam rir. Do nada. Mas tem uma explicação para isso…

O CNJ vai permitir que os tribunais contratem bancos privados para administrar os depósitos judiciais. Segundo as contas do Valor Econômico, esses recursos são estimados em cerca de R$ 500 bilhões. Hoje, esse dinheiro só pode ser depositado em duas instituições públicas: Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

Evidentemente que Dias Toffoli não decidiu sozinho a parada. Além do voto dele, outros 11 conselheiros do CNJ votaram favoravelmente aos bancos privados. Somente um “moicano” se posicionou contra o ‘presentão’ para os banqueiros.

O escandaloso esquema funciona mais ou menos assim, com algumas variações.

LEIA TAMBÉM
Moro e Deltan viram alvos de campanhas contrárias em Curitiba

Alexandre Frota vai se filiar ao PSDB

Gleisi apresenta na Câmara projeto do PT para gerar emprego e renda

O depósito judicial são verbas de particulares que são dadas em garantia em determinada demanda judicial. Esses recursos ficam sob a guarda do judiciário até que a lide seja dirimida. Enquanto isso, os tribunais aplicavam esse dinheiro em bancos públicos, como a Caixa e o Banco do Brasil. Só podem escolher outras instituições [privadas] caso não haja os bancos oficiais na jurisdição.

Então, essas verbas particulares rendem nos bancos públicos cerca de 0,25% ao mês a título de remuneração para os tribunais. Em contrapartida, as duas instituições financeiras oficiais aplicam o dinheiro no fomento e no desenvolvimento do País, como construção de habitações populares, financiamento estudantil (FIES), etc.

Já no banco privado a história é outra. Ele pode até remunerar o dinheiro dos tribunais um pouco melhor, talvez 0,30% ao mês, mas deixarão a função social para trás. Muito provavelmente emprestarão os mesmos recursos com juros de 300% no cartão de crédito, 322% no cheque especial e o empréstimo pessoal a 108% ao ano.

Como se vê, caro leitor, os banqueiros têm motivos de sobra para rir à toa.

Agora, aguarde. Com a confirmação da reforma da previdência, no Senado, os banqueiros poderão baixar na UTI devido à crise de alegria. Afinal, serão mais R$ 1 trilhão para as burras do setor financeiro em detrimento dos idosos, viúvos, deficientes e órfãos.

Em tempo: Dias Toffoli foi na semana passada capa da revista Veja, veículo que é controlado pelo banco BTG Pactual.

Compartilhe agora!