“Na USP não entra escola sem partido”, garante reitor

Foto: Mídia Ninja.

O reitor da Universidade de São Paulo(USP), Vahan Agopyan, defendeu nesta segunda-feira(12) a autonomia universitária, prevista pela Constituição, e afirmou que é impossível aplicar um projeto como o ‘Escola Sem Partido’ na USP. “Na universidade é impossível. É um local de debate. No auge da ditadura os debates eram intensos aqui. Obedecemos às leis, mas coisas que ferem a autonomia da USP, a USP não precisa seguir. Isso fere. Porque a universidade é um locus de debate. Você não pode impedir”, destacou o reitor em entrevista para o Estado de São Paulo.

“O debate é importante porque estamos formando cidadãos, nós formamos profissionais, mas o grande objetivo da USP é formar excelentes cidadãos e excelentes líderes. Não consigo imaginar um professor fazendo proselitismo para os alunos, mesmo quando o professor da um curso de Marxismo, mostra as críticas, faz parte da formação”, acrescentou Agopyan.

O reitor da USP, no entanto, não deixou de manifestar preocupação em relação ao avanço do extremismo e sua interferência na vida universitária.

De acordo com o reitor, “quando começaram a divulgar os resultados das eleições já estavam convocando nas redes sociais para comemorar a vitória e marchar para a Historia e Geografia”.

“E então já passaram a chamar todos para defender Historia e Geografia. Era que nem torcedores gangsteres de time de futebol, marcando dia e hora para começar uma briga, chamando pessoas externas. Tivemos que intervir e fazer um controle seletivo nas entradas. Entraram uns 20 black blocks e 20 neonazistas. E tinha polícia. Como eram só 20 e 20 e uns simpatizantes, não deu nada. Se fossem 100, seria perigoso”, observou.

Ao comentar os riscos de um clima de denuncismo na instituição, o reitor da USP foi enfático: “Denunciar para quem? Eu não vou criar um mecanismo de controle ideológico dentro da universidade”, enfatizou.

*Foto de Kevin David/A7 Press/Folhapress

Comentários encerrados.