PGR pede que STF condene políticos ‘sem provas’

O deputado paranaense Nelson Meurer (PP) será o primeiro político com mandato a ser julgado no âmbito da operação Lava Jato. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um memorial defendendo a condenação do deputado. No documento, a procuradora lembrou que o STF já dispensou a necessidade de um “ato de ofício” concreto, ou seja, provas, na condenação dos réus do mensalão.

O julgamento de Meurer está marcado para hoje (15) na segunda turma do STF. Raquel Dodge pediu aos ministros do Supremo que definam com mais clareza o crime de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro.

Na prática, ela pede que os ministros estabeleçam as condenações baseados em delações premiadas obtidas em troca de acordos que concederiam a liberdade ou a redução da pena dos acusados. Doações legais de campanha também são apontadas como propina.

Participarão do julgamento os ministros Edson Fachin (relator), Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello. O ministro Dias Toffoli, está em viagem e não participará do julgamento.

A defesa de Meurer afirmou que o Ministério Público Federal (MPF) não conseguiu comprovar a denúncia contra o deputado, ficando a imputação dos crimes baseada somente nas palavras do delator.

Com informações do Agência Brasil

Comentários encerrados.