PGR vai à guerra contra o PT

Na véspera do 1º de Maio, Dia do Trabalhador, e a dez dias de o Supremo Tribunal Federal (STF) pronunciar o resultado do julgamento da Segunda Turma, que pode soltar Luiz Inácio Lula da Silva, a partidarizada Procuradoria-Geral da República ofereceu hoje (30) novas denúncias contra o ex-presidente da República, o ex-ministro Antônio Palocci, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro Paulo Bernardo, marido da parlamentar.

“Mais uma denúncia baseada em delações, sem provas, envolvendo fatos sem relacionamento. Lamento a irresponsabilidade da PGR em agir com esse denuncismo. Além de falsas, as acusações são incongruentes, pois tentam ligar decisões de 2010 a uma campanha minha de 2014”, declarou Gleisi.

Para a presidenta nacional do PT, “a denúncia irresponsável da PGR vem no momento em que o ex-presidente Lula, mesmo preso ilegalmente, lidera todas as pesquisas para ser eleito o próximo presidente pela vontade do povo brasileiro”.

A PGR acusa os quatro dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, a partir de delações premiadas de ex-executivos da empreiteira Odebrecht. Segundo a denúncia, a Odebrecht prometeu a Lula doação de US$ 40 milhões em troca de decisões políticas para beneficiar a empresa.

O curioso é que as novas denúncias da PGR ocorrem antes de dois eventos importantes do PT, as manifestações desta terça-feira (1º de Maio) pela liberdade de Lula, que ocorrerão no Brasil e no mundo, e a possibilidade de a Segunda Turma mandar soltar o ex-presidente preso politicamente desde o último dia 7 de abril na Polícia Federal de Curitiba.

Sobre a denúncia da PGR

De acordo com a PGR, além dos depoimentos de delação, foram colhidos nas investigações documentos, como planilhas e mensagens, fruto da quebra de sigilo telefônico.

Em contrapartida pela doação, a procuradoria afirma que a Odebrecht foi beneficiada com aumento da linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com Angola, país africano onde a empreiteira tinha negócios.

Com informações da Agência Brasil

Comentários encerrados.