Por Esmael Morais

à‰ guerra. Mirian Gonçalves convoca equipe para enfrentar Fruet em 2016

Publicado em 25/03/2014

Ninguém consegue mais esconder que Fruet e sua vice, Mirian Gonçalves, não conseguem comungar na mesma missa; eles racharam politicamente, a ponto de não ter mais volta; a advogada trabalhista cometeu o pecado! de ficar ao lado dos trabalhadores e servidores municipais nas greves da semana passada que reivindicam melhores salários; gustavistas viram nisso alta traição! e já falam em demiti-la da Secretaria Municipal do Trabalho; para intensificar a luta interna, no PT, escalam nomes ligados ao casal ministerial para substituí-la no cargo; a vice não deixou por menos, segundo uma fidedigna fonte no PT, ao convocar equipe para desenhar campanha a prefeita de Curitiba contra Gustavo Fruet; a guerra está apenas começando e envolve figurões petistas.

Ninguém consegue mais esconder que Fruet e sua vice, Mirian Gonçalves, não conseguem comungar na mesma missa; eles racharam politicamente, a ponto de não ter mais volta; a advogada trabalhista cometeu o pecado! de ficar ao lado dos trabalhadores e servidores municipais nas greves da semana passada que reivindicam melhores salários; gustavistas viram nisso alta traição! e já falam em demiti-la da Secretaria Municipal do Trabalho; para intensificar a luta interna, no PT, escalam nomes ligados ao casal ministerial para substituí-la no cargo; a vice não deixou por menos, segundo uma fidedigna fonte no PT, ao convocar equipe para desenhar campanha a prefeita de Curitiba contra Gustavo Fruet; a guerra está apenas começando e envolve figurões petistas.

Que a advogada Mirian Gonçalves não é a vice dos sonhos do prefeito Gustavo Fruet, do PDT, nem da ala do PT ligada aos ministros Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann, todo mundo já sabe.

à‰ chover no molhado repisar a fatídica tarde de 16 de junho de 2012, quando se realizou a convenção municipal do PT de Curitiba. Naquele dia, a advogada trabalhista foi eleita pelo partido para a vaga de vice-prefeita na chapa do petista.

A advogada derrotou a então presidenta do partido, ex-vereadora Roseli Isidoro, pelo placar de 113 a 100. A derrotada hoje é secretária Municipal da Mulher.

A questão é que o “k-suco ferveu” nas últimas semanas devido aos movimentos grevistas. Mirian não titubeou ao emprestar solidariedade aos sindicatos e trabalhadores que colocaram o prefeito contra a parede. Os gustavistas viram esse gesto como uma “traição” e agora a queimam na praça e na frente política.

Pois bem, o blog teve informação de fonte fidedigna de que a vice-prefeita começou a se mexer com vistas a 2016. Isto mesmo. Mirian Gonçalves quer trabalhar no PT candidatura própria à  Prefeitura de Curitiba. Ela já tem participação no atual diretório municipal, um bom começo para a caminhada interna.

Por outro lado, a tropa de choque de Gustavo Fruet não deixa por menos. No Palácio 29 de Março fala-se em demissão da vice que ocupa a Secretaria Municipal do Trabalho.

Para mostrar que não é uma política contra o PT, o prefeito estaria pensando escalar para o cargo alguém ligado ao grupo político de Gleisi, Bernardo e do deputado à‚ngelo Vanhoni. Ventila-se o nome de Roni Barbosa, presidente do Instituto Observatório Social (IOS).

A guerra está apenas começando. Vem chumbo grosso por aí, até mesmo porque a vice-prefeita tem aliados importantes como o vice-presidente da Câmara, André Vargas, e os presidentes municipal e estadual do PT, Natalino Bastos e Enio Verri, respectivamente.