Na pré-campanha, Bolsonaro defende R$ 400 de Bolsa Família; oposição sugere R$ 600 na pandemia

Na pré-campanha, Bolsonaro defende R$ 400 de Bolsa Família; oposição sugere R$ 600 na pandemia [vídeo]

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estuda atravessar a Praça dos Três Poderes, em Brasília, para levar pessoalmente à Câmara dos Deputados a medida provisória que cria o novo programa social do seu governo, o Auxílio Brasil, sucessor do Bolsa Família.

Em pré-campanha pela reeleição, o mandatário defende o novo Bolsa Família de R$ 400. A equipe econômica liderada pelo ministro dos bancos, Paulo Guedes, briga para reduzir esse benefício a R$ 300, enquanto a oposição se prepara para ampliar a ajuda em R$ 600 mensais durante a pandemia.

Bolsonaro pensa implementar a partir de novembro o Auxílio Brasil, o novo Bolsa Família, cujo nome trocado visa apagar o legado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nessas vésperas das eleições de 2022.

Leia também
Conversa com Bial entrevista hoje Ciro Gomes na Globo

‘Andar de cima’ manda recado para Bolsonaro, mas não quer impeachment

Arthur Lira puxa o saco de Bolsonaro ao levar para o plenário proposta do voto impresso

No entanto, o governo condiciona o novo Bolsa Família à aprovação, pelo Congresso, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para parcelar o pagamento de precatórios e criar um fundo com recursos de privatização a ser destinado para aumentar o valor do futuro Auxílio Brasil. Ou seja, Bolsonaro quer uma política circunstancial, não sustentável, haja vista que os ativos [empresas] vendidas são finitas.

O presidente Jair Bolsonaro sonha se reeleger empobrecendo mais o país e deixando os ricos concentrando mais fortunas, eis a velha fórmula do novo Auxílio Brasil –que deveria se chamar “Auxílio Bolsonaro” porque atende somente às intenções eleitorais do inquilino do Palácio do Planalto.

Sobre o Auxílio Brasil

O ministro da Cidadania, João Roma, explicou em coletiva os detalhes da MP do Novo Programa Social do Governo. A Medida Provisória foi entregue pessoalmente nesta hoje, pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, ao presidente da Câmara, Arthur Lira.

Segundo Roma, a base de 14,6 milhões de beneficiários do Bolsa Família será ampliado para acima de 16 milhões de atendimentos. O valor, segundo o ministro, sofrerá reajuste médio de 50% do valor atual do programa de transferência de renda que é de 189,00 atualmente.

O ministro da Cidadania ainda disse que o Auxílio Brasil dará ênfase à primeira infância, de zero a 36 meses.

Em outubro, no entanto, chegará ao fim o auxílio emergencial que vigora desde agosto.

Assista ao vídeo