lula com artistas no rio de janeiro

Geringonça de Lula cresceu no Rio enquanto a motociata de Bolsonaro encolheu em SP

A Geringonça do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cresceu absurdamente no Rio de Janeiro e seu tamanho assustou muito o presidente Jair Bolsonaro, que, por outro lado, viu sua motociata encolher em São Paulo neste fim de semana.

O petista desembarcou na quinta-feira (10/6) para intensa agenda na capital fluminense, que consistiu em encontros com os mundos acadêmicos, artísticos, intelectuais, partidários e do trabalho. Em todos esses setores houve filiações ao PT por “tarrafa”, ou seja, em grandes quantidades, mas aquisições de qualidade, segundo o partido.

Ainda na passagem pelo Rio, brizolistas se filiam ao PT em ato público de apoio ao ex-presidente Lula. Ingressaram no partido o ex-deputado Vivaldo Barbosa; ex-vereador Leonel Brizola Neto; o filho do ex-presidente João Goulart, João Vicente; o ex-deputado da Baixada Fluminense, Geraldo Moreira; além de vereadores e ex-militantes do PDT do interior do estado.

Leia também

Na Geringonça de Lula no Rio teve também trocas de apoio com o deputado Marcelo Freixo, agora no PSB, que irá disputar o Palácio Guanabara –sede do governo estadual do Rio de Janeiro.

O ex-presidente fechou a agenda política almoçando com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, recém-filiado no PSD, que o apoiará em 2022, no projeto pela retomada do Palácio do Planalto.

“Um presidente que todo sábado sai pra dar voltinha de moto, mas não teve coragem de visitar um hospital”, criticou Lula, referindo-se às quase 500 mil vidas perdidas no Brasil durante a pandemia.

Resumo da ópera: a Geringonça de Lula cresceu no Rio e assustou Bolsonaro, que viu sua moticiatinha encolher em SP.