Justiça mandar prender líderes de golpe contra Evo Morales na Bolívia

A ferida não cicatrizou. O golpe de Estado ocorreu em 2019, mas foi nesta sexta-feira (12/3) que a Justiça determinou a prisão dos líderes da armação, que destituiu o então presidente Evo Morales.

Os ex-ministros Álvaro Coimbra (Justiça) e Rodrigo Guzmán (Energias) foram presos hoje enquanto estão pendentes mandados de prisão contra três outros ex-ministros e a ex-presidente Jeanine Áñez pelo caso de “golpe” ou pelos fatos que dele resultaram.

A polícia empreende buscas em várias regiões do país. O objetivo é capturar Jeanine Áñez nas próximas horas.

Os mandados de prisão foram desencadeados a partir da denúncia da ex-deputada Lidia Patty e são processados ​​pelos crimes de terrorismo, sedição [motim] e conspiração.

Os três ex-ministros ainda procurados são Arturo Murillo (Governo), Fernando López (Defesa), ambos estão no exterior, e Yerko Núñez (Presidência).

O Ministério Público de La Paz, capital da Bolívia, justifica que as ordens foram expedidas devido ao risco de fuga dos envolvidos, devido aos seus elevados movimentos migratórios, o que “prova a facilidade de saída do país”.

LEIA TAMBÉM
Evo Morales alerta para novo golpe de Estado na Bolívia

Bolívia avança na criação de imposto sobre grandes fortunas

Candidato de Evo Morales, com 52,4%, é eleito no primeiro turno presidente da Bolívia