O Brasil terá 66 milhões de pobres a partir de 2021, após o fim do auxílio emergencial

Na esteira do Prêmio Nobel da Paz anunciado nesta sexta-feira (9) para o Programa de Combate à Fome da ONU vem a tristeza: o Brasil terá 66 milhões de pobres a partir de 2021. Isso significa mais desemprego, mais fome, mais desesperos para mães e pais de família que precisam dar do que comer aos seus.

Para o leitor ter a dimensão da desgraça provocada pelo presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, o Brasil pode “orgulhar-se” de produzir um exército de miseráveis de 66 milhões de pessoas que é exatamente o tamanho da população inteira do Reino Unido.

Ao adotar a agenda dos bancos e do sistema financeiro, o presidente Jair Bolsonaro está conseguindo piorar a vida do povo brasileiro.

O fim do auxílio emergencial em dezembro, definido pelo Palácio do Planalto, pode levar 1/3 dos brasileiros à pobreza. A estimativa é do ex-ministro da Secretária de Assuntos Estratégicos do governo Dilma, o economista Marcelo Neri, diretor da Fundação Getúlio Vargas Social (FGV-Social).

Nada menos do que 66 milhões de brasileiros cairão na pobreza a partir de janeiro de 2021.

“Isso representa meia Venezuela. Essas pessoas vão para pobreza e ainda com as cicatrizes do mercado de trabalho e os efeitos mais permanentes da pandemia”, avalia. Ou um Reino Unido inteiro, como destacamos no início desta matéria.

Instituto Lula diz em nota que é ‘parceiro antigo’ de Programa da ONU vencedor do Nobel da Paz

Lula comemora o Nobel da Paz

Saiba por que o ex-presidente Lula foi o maior vencedor do Prêmio Nobel da Paz 2020

Prêmio Nobel da Paz foi para… a luta contra a fome no mundo

Fim do auxílio emergencial é o fim da linha para muitos

Em setembro último, o governo cortou pela metade o auxílio emergencial. Até dezembro os beneficiários irão receber R$ 300 de ajuda.

O PT decidiu entrar em obstrução na Câmara dos Deputados pressionando pela votação da Medida Provisória 1000, que o reduziu auxílio emergencial pela metade de R$ 600 para R$ 300. A oposição luta sem trégua para que seguro-quarentena seja mantido. “Não vamos permitir a redução do auxílio-emergencial”, alerta o senador Humberto Costa (PT-PE).

De acordo com Neri, em um cenário considerado otimista, o Brasil ampliará em cerca de 16 milhões o total de pessoas consideradas pobres quando o auxílio emergencial pago aos mais vulneráveis terminar, no final deste ano. Esse contingente de “novos pobres” ampliará para quase um terço o número de brasileiros que passarão a viver com menos de R$ 522 ao mês, em média. O valor representa menos de meio salário mínimo e cerca de US$ 3 ao dia.

Não é pouca desgraça, caro leitor. No cenário mais otimista, traçado pelo economista da FGV-Social, o Brasil ampliará em cerca de 16 milhões o total de pessoas consideradas pobres quando o governo deixar de pagar o auxílio emergencial em dezembro próximo. Essa quantidade de miseráveis é equivalente à população total da Holanda, que é de 16 milhões de habitantes.

Solução é assegurar renda para o povo

É exatamente por isso que o PT está lutando para retomar no Congresso o debate em torno do programa Mais Bolsa Família, que vai ampliar o valor do benefício e a cobertura, garantindo a pelo menos 30 milhões de famílias uma renda básica, a ser custeada pela taxação dos super-ricos. “A inflação voltou, o salário diminuiu e o auxílio emergencial foi cortado pela metade”, denuncia o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE).

Na avaliação de Marcelo Neri, a interrupção dos pagamentos do auxílio emergencial pelo governo já a partir de janeiro do ano que vem aumentará o total de pobres de 23,6% (50,1 milhões de pessoas) para cerca de 31% (66,2 milhões). A hipótese é considerada otimista pelo próprio economista. O país voltaria ao mesmo patamar de depois do Golpe de 2016, quando Dilma foi afastada da Presidência da República no impeachment sem crime de responsabilidade aprovado pelo Congresso.

Neri lembra que no segundo trimestre deste ano, quando os efeitos do isolamento social e da paralisação do país, agravadas pela má condução da política econômica por Bolsonaro, provocou uma queda na renda média dos brasileiros de 20%. Mas a situação da maioria da população foi pior, porque os 50% mais pobres no país tiveram uma queda de renda ainda maior: 28%. A FGV Social avalia que o aumento da pobreza deve afetar mais as regiões Nordeste e Norte.

Compartilhe agora