Greve dos caminhoneiros continua após acordo “fake” de Temer suspendendo movimento

Publicado em 25 maio, 2018
Compartilhe agora!

Michel Temer lembra muito Collor de Mello que, em 1992, nas vésperas de cair, pediu para que o povo saísse de verde e amarelo em apoio a ele. Todos atenderam, mas só que foram às ruas de preto. Assim ocorreu ontem em relação aos caminhoneiros, que entraram no 5º dia de greve. O ilegítimo anunciou a suspensão da greve por 15 dias, porém, na vida real, as manifestações aumentaram nesta sexta (25) em todo o país.

LEIA TAMBÉM
“Não são só os preços abusivos dos combustíveis”

No Paraná, importante entroncamento rodoviário que liga o Brasil aos países do Mercosul, são mais de 100 pontos com manifestações. Como o Blog do Esmael registrou na noite de ontem (24), os caminhoneiros desautorizaram o acordo “fake” (falso) assinado por suas lideranças com Temer. Ou seja, somente a ABCAM (Associação Brasileira de Caminhoneiros) rejeitou a “suspensão mandrake” proposta pelo governo.

LEIA TAMBÉM
ABCAM não assina suspensão de greve dos caminhoneiros

Note o caríssimo leitor que os caminhoneiros têm recebido apoio de amplos setores da sociedade e de outras categorias profissionais. Os motoristas de ônibus de Curitiba, por exemplo, não descartam parar em solidariedade aos grevistas. Comerciantes de diversas partes cerram suas portas contra o aumento abusivo nos combustíveis. Enfim, não se trata de uma luta apenas pela redução do diesel.

Resumo da ópera: a ABCAM se fortaleceu e se consolidou como única entidade com respeitabilidade entre os caminhoneiros.

Compartilhe agora!