Richa enfrentará greve geral de servidores a partir de 17 de outubro

app_greveO governador Beto Richa (PSDB) enfrentará uma nova greve unificada dos cerca de 200 mil servidores públicos do estado a partir do próximo dia 17 de outubro. Desses, 100 mil são trabalhadores da educação.

A APP-Sindicato, que representa os educadores, está reunida na manhã desta quinta (6) para organizar o movimento paredista.

Os servidores vão parar contra o anúncio do novo calote que levarão do tucano. Richa quer revogar a lei 18.493/2015, acordada entre ele e os sindicatos em 2015, que estipulou a data-base em 1º de janeiro de 2017, com reposição da inflação de 2016, e pôs fim à greve de 40 dias na educação.

Agora, as pautas das categorias se unificaram outra vez.

“O governo Beto Richa depois de saquear a previdência dos servidores, bater em professor no dia 29 de abril de 2015 e retirar quase 25% das verbas de custeio das Universidades, agora quer fazer com que os servidores trabalhem sem a reposição da inflação, é uma afronta” resume o professor Luiz Fernando Reis, presidente da ADUNIOESTE, sindicato de docentes da UNIOESTE.

Os professores das universidades já definiram paralisar na semana que vem. Os docentes das universidades Unioeste, Unicentro, Unespar, UEPG e UEM realizam assembleias entre hoje e amanhã em todas as unidades para bater o martelo, mas, possivelmente o movimento também será deflagrado no dia 17.

Comentários encerrados.