Temer e mídia bandida fazem ‘operação abafa’ contra pedido de Janot

rodrigo_janot_pmdb

O interino Michel Temer lançou uma ofensiva midiática para impedir que a cúpula do PMDB vá para a cadeia. Estão no bico do corvo os senadores Renan Calheiros (AL), presidente do Senado; Romero Jucá (RR), ex-ministro do Planejamento; o ex-presidente da República, José Sarney (AP), e Eduardo Cunha (RJ), presidente afastado da Câmara. Ou seja, “tutti buona gente…”.

Os barões dos principais jornalões do país, que compõem o consórcio golpista, começaram esta quinta (9) abrindo fogo contra o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, autor dos pedidos de prisão dos quatro peemedebistas que trabalhavam para deter as investigações da Lava Jato.

O editorial do Estadão, por exemplo, saiu em defesa dos acusados de tramar a queda da presidente eleita e do fim da operação comandada pelo juiz federal Sérgio Moro. Embora existam áudios gravados comprobatórios, o jornalão dos Mesquita afirma que “não há justificativa sólida para o pedido de prisão formulado pelo procurador-geral da República”.

A ofensiva não para por aí. O jornalista Josias de Souza, do UOL, também vai nessa linha. Utiliza-se de fonte anônima do Palácio do Planalto para cravar o ambiente contrário a transferência da cúpula peemedebista de Curitiba: “Auxiliares de Michel Temer avaliam que o Supremo Tribunal Federal deve indeferir os pedidos de prisão formulados por Rodrigo Janot, procurador-geral da República, contra Renan Calheiros, José Sarney, Romero Jucá e Eduardo Cunha”. E mais: “[eles] enxergam açodamento nas petições do chefe do Ministério Público Federal.”

O jornalista Ricardo Noblat, porta-voz da família Marinho, n’O Globo, tirou um sarro de Janot: “O mais provável é que o pedido só seja examinado no segundo semestre do ano, se possível depois do desfecho do impeachment de Dilma.”

O colunista Jorge Moreno, também d’O Globo, uma espécie gost whrite de Michel Temer, avisou ontem (7) que três de 11 ministros dos Supremo já se declaram contra o pedido de prisão feito pelo procurador Janot.

Comentários encerrados.