PIB do Paraná vaia governo Beto Richa na posse da Fiep; empresários aplaudem de pé Alvaro Dias

campagnolo_fiep_richaO governador Beto Richa (PSDB), por meio de seu preposto Eduardo Sciarra (PSD), chefe da Casa Civil, recebeu ontem (18) à noite, na posse da diretoria da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), uma ensurdecedora e consistente vaia.

Nunca antes em 70 anos de história da entidade houve vaia para um governador do estado. Tampouco houve desprezo coletivo de tantos engravatados ao mesmo tempo.

“Foi muito demorada, foi uma eternidade para quem estava no palco”, relatou ao Blog do Esmael um dos convidados à mesa de abertura. “Acho que nem a vaia no Atletiba deste domingo será maior”, ironizou.

O PIB paranaense apupou Richa por causa do “pacote de maldades 3”, que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná. Sciarra tentou defender o governador afirmando que é preciso equilibrar receita e despesa, mas, não teve jeito, pois, os “coxinhas” não perdoaram o tucano.

Em virtude da sonora vaia, Sciarra perdeu a fome e não ficou para o jantar com a diretoria empossada.

Por outro lado, o senador Alvaro Dias (PSDB) foi consagrado na noite de sexta-feira. O parlamentar arrancou aplausos de pé quando disse que não é justo que os empresários pagassem pelo aparelhamento do Estado.

Até o papa Francisco sabe que é mais fácil juntar Cuba aos EUA do que colocar no mesmo espaço Alvaro e Richa, embora ambos sejam tucanos. Aliás, o governador do PSDB fugiu do encontro com os empresários.

O presidente reeleito da Fiep, Edson Campagnolo, abraçado a bandeira do Brasil, condenou o aumento de impostos pelo governo Richa e mandou a presidenta Dilma “voltar para casa”.

Na noite de ontem ficou claro que o senador Alvaro Dias está na pista para disputar o Palácio Iguaçu. A novidade é que ele se distancia do PSDB e se aproxima do campo político do colega de parlamento Roberto Requião e do PMDB. Também ficou nítido que, se a eleição fosse hoje, Richa não se elegeria nem para deputado.

Comentários encerrados.