Por Esmael Morais

Governo Richa promove ‘guerra suja’ nas redes sociais para desqualificar professores em greve. Cuidado!

Publicado em 22/05/2015

Basta uma circulada pelas redes sociais para encontrar imagens e mensagens tentando desqualificar os professores, com imagens de contracheques falsos e textos mentirosos afirmando que os professores recebem salários de R$ 8 até R$ 12 mil por mês. No início da greve, os cibertucanos até exageraram ao exibir holerite com R$ 30 mil de salário para professor da educação básica — o que não seria uma má ideia, diga-se de passagem.

A suspeita sobre a origem das montagens contra os professores recaem sobre os cibertucanos da “Tenda Digital”, que estariam entrando nos perfis dos professores para fazer montagens com fotos antigas. Na campanha, o grupo atuou pesado pela reeleição de Beto Richa e era coordenado pelo lobista Luiz Abi Antoun, primo do governador, e Marcelo Tchello Caramori, ambos presos no início deste ano por outros crimes (corrupção e pedofilia).

A “Tenda Digital” tinha a tarefa de desqualificar e desconstruir nas redes sociais os senadores Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB), que eram adversários de Richa na corrida pelo Palácio Iguaçu.

A APP-Sindicato confirmou que vem recebendo repetidas denúncias similares e que montou uma equipe jurídica para elaborar queixas-crime contra quem produz e quem compartilha esse tipo de mentira nas redes sociais. O marco civil da internet em vigor possibilita a condenação mesmo de quem simplesmente compartilha esse tipo de informação.