Coluna do Ricardo Gomyde: “Copa do Mundo vai gerar 3,6 milhões de empregos e movimentar R$ 189 bilhões”

Ricardo Gomyde, em sua coluna inaugural, garante que Arena da Baixada será inaugurada em dezembro; diretor de Futebol do Ministério do Esporte e da Comissão Organizadora da Copa, ele afirma que competição vai gerar 3,6 milhões de empregos e movimentar R$ 189 bilhões até 2019; segundo o colunista, Fifa disponibilizará, gratuitamente, 50 mil ingressos para a população indígena e a beneficiários do Programa Bolsa Família; Os jogos passarão, mas as melhorias de infraestrutura e mobilidade urbana ficarão!, crava Gomyde; leia o texto.
Ricardo Gomyde, em sua coluna inaugural, garante que Arena da Baixada será inaugurada em dezembro; diretor de Futebol do Ministério do Esporte e da Comissão Organizadora da Copa, ele afirma que competição vai gerar 3,6 milhões de empregos e movimentar R$ 189 bilhões até 2019; segundo o colunista, Fifa disponibilizará, gratuitamente, 50 mil ingressos para a população indígena e a beneficiários do Programa Bolsa Família; Os jogos passarão, mas as melhorias de infraestrutura e mobilidade urbana ficarão!, crava Gomyde; leia o texto.
por Ricardo Gomyde*

O estado do Paraná, indiscutivelmente uma das principais forças do futebol brasileiro, segue se preparando para ser também uma das principais sedes da Copa do Mundo da Fifa de 2014. E pela segunda vez! Só para relembrarmos, na Copa de 50, o Durival de Britto (Vila Capanema), foi palco de dois jogos: Espanha 3 x 1 Estados Unidos e Suécia 2 x 2 Paraguai.

Vejam! Se há mais de 60 anos os paranaenses tiveram todo o sucesso na organização daqueles jogos não tenho dúvidas que no próximo mundial, o resultado final será ainda melhor. Afirmo com convicção porque acompanho a evolução dos trabalhos desenvolvidos e a intensificação das obras no estado.

Com a Arena da Baixada inaugurada em dezembro, o Couto Pereira reformado e com a infraestrutura de Curitiba reforçada pelas obras de mobilidade, a cidade e o estado terão todas as condições para receber com sucesso absoluto as delegações sorteadas para as quatro partidas e as torcidas que as acompanharem.

O Ministério do Esporte tem trabalhado para que todos os brasileiros se beneficiem de um evento dessa dimensão. Conseguimos que a Fifa disponibilize, gratuitamente, 50 mil ingressos para a população indígena e os beneficiários do Programa Bolsa Família. Mais do que dar oportunidade de mais pessoas terem acesso aos jogos, a população ganhará um legado esportivo, cultural, social e econômico.

No setor esportivo, só no Paraná, o Ministério investe na reforma do Estádio Olímpico de Cascavel, do Estádio Willie Davis, de Maringá (candidatos a Centro de Treinamento de Seleções), na construção do Velódromo, em Pinhais e na reforma da Praça Osvaldo Cruz, em Curitiba. Isso só para citar alguns exemplos.

Em todo o país, a Copa do Mundo vai gerar 3,6 milhões de empregos e movimentar R$ 189 bilhões até 2019. Por isso, é importante que se diga que não só os paranaenses, mas todos os brasileiros vão colher os frutos de um evento grandioso como esse não apenas durante a competição. O Mundial precisa ser encarado como o início !“ e não o fim !“ de um novo momento. Os jogos passarão, mas as melhorias de infraestrutura e mobilidade urbana ficam. E o apoio que os paranaenses têm dado à  realização da Copa é fundamental para esse sucesso.

*Ricardo Gomyde, diretor de Futebol do Ministério do Esporte, especialista em políticas de inclusão social, é membro da Comissão Organizadora da Copa do Mundo no Brasil em 2014. Escreve nos sábados no Blog do Esmael.

Comments are closed.