22 de outubro de 2015
por esmael
19 Comentários

O marqueteiro é o mesmo, mas o resultado… Renan Filho 68% de aprovação; Richa 73% de reprovação

renan_pesquisa_richaO governador do estado de Alagoas, Renan Filho (PMDB), é o mais bem avaliado do país com 68% de aprovação. Os números são da Paraná Pesquisas.

O diabo é que o marqueteiro de Renanzinho é Adriano Gehres, o mesmíssimo do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), que tem 73% de reprovação — uma vergonha nacional.

Esse novo levantamento da Paraná Pesquisas, hoje a empresa mais nacional do Paraná, indica que o Palácio Iguaçu deva encomendar extrema-unção do tucano.

Gehres foi importado por Richa das entranhas do governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) pela bagatela de R$ 900 mil. Paraná, até agora, o marqueteiro apenas “chupou” propaganda do estado vizinho.

Voltemos à vaca fria da pesquisa. Assim como Richa, a presidenta Dilma Rousseff (PT) está mal avaliada em Alagoas. Ou seja, por aquelas bandas, Renan é “boia de salvação” para a petista.

4 de julho de 2015
por esmael
21 Comentários

Coluna do Jorge Bernardi: Patriotas, Lei de Gerson, Pessoa e a liberdade da “eminencia parda” do governo Beto Richa

gersonJorge Bernardi*

Há 150 anos, na Guerra do Paraguai, as tropas do Brasil não conseguiam passar uma pequena ponte no riacho Itororó. No meio da luta emergiu um homem de cabelos brancos e gritou: “sigam-me os que forem brasileiros”. Era o Duque de Caxias, com 65 anos, que num gesto de bravura conduziu o exército brasileiro a vitória.

No passado haviam heróis na liderança da pátria. Hoje há ladrões. Com raras exceções, quem está no Poder e quem quer alcançá-lo, só pensa em locupletar-se, levar vantagem, como na Lei de Gerson. O capitão da Seleção Canarinho de 1970, deu nome a lei, ao fazer propaganda de cigarro, num tempo em que até atletas fumavam. Ele terminava com o bordão: você vai levar vantagem sempre. O Brasil mudou nestes 40 anos, fuma-se hoje muito menos. Em relação a corrupção, o aumento foi brutal.

A delação premiada do dono da UTC, Ricardo Pessoa, o capo do cartel das empreiteiras, que agiam na Petrobras, roubando bilhões de reais, revelou a podridão nas entranhas do Poder. Nada que as “pessoas” já não soubessem, mas que agora foi confessada por um Pessoa, que financiou e enriqueceu às custas da corrupção de autoridades.