Escândalo envolvendo Bolsonaro pode derrubar presidente do Paraguai

Gleisi garante novamente a cota de US$ 300 para compras no Paraguai

paraguaiA senadora Gleisi Hoffmann (PT) conseguiu negociar a manutenção da cota de US$ 300 para compras de turistas brasileiros em visita por terra ao Paraguai.

O Itamaraty já estava tratando com o país vizinho a manutenção da taxa no Mercosul sobre vendas de produtos lácteos. Eles aceitaram. Assim, o Ministério da Fazenda vai prorrogar a entrada em vigor da portaria que diminuía a cota para US$ 150.

A redução da cota estaria vinculada ao estabelecimento de “freeshops” na região de fronteira. “Estamos agora definindo o prazo. Defendi que a prorrogação da cota atual seja por mais um ano, para dar tempo de regulamentar os freeshops. Fechado esse assunto, uma nova portaria será publicada,” afirmou.

A senadora Gleisi vem trabalhando o assunto desde ano passado. Ela já conseguiu reverter a redução da cota no ano passado, quando estava no Paraguai, em audiência com o presidente Cartes.

Richa tenta “devolver” condenação a Gleisi por uso da máquina, mas perde

Depois de ser condenado seguidas vezes e sofrer várias multas por uso da máquina do governo estadual em sua campanha; a coligação do governador-candidato Beto Richa tentou devolver uma à  oponente Gleisi Hoffmann (PT), mas não obteve sucesso.  à‰ o que geralmente acontece quando se tenta encontrar pelo em ovo, ou chifre em cabeça de cavalo, como dizem. Os advogados de Richa viram propaganda ilegal, onde só havia notícia.
Depois de ser condenado seguidas vezes e sofrer várias multas por uso da máquina do governo estadual em sua campanha; a coligação do governador-candidato Beto Richa tentou devolver uma à  oponente Gleisi Hoffmann (PT), mas não obteve sucesso. à‰ o que geralmente acontece quando se tenta encontrar pelo em ovo, ou chifre em cabeça de cavalo, como dizem. Os advogados de Richa viram propaganda ilegal, onde só havia notícia.

A Justiça Eleitoral julgou improcedente a acusação de que a candidata à  governadora, Gleisi Hoffmann, da coligação Paraná olhando pra Frente!, teria usado dois sites de notícias para divulgar a revogação da Portaria do Ministério da Fazenda que reduziu a cota de compras no exterior como mote de campanha. Na representação, a Coligação “Todos pelo Paraná” do candidato Beto Richa, alegava que Gleisi teria realizado publicidade ilegal.

Os veículos citados na acusação são o Blog do Esmael e o Blog de Valdir Cruz, no site Notícias Paraná. A notícia era do! anúncio feito por Gleisi! de que a cota de importados livre de impostos nas fronteiras terrestres seria mantida em 300 dólares.

Em sua decisão, o juiz auxiliar Guido José Dà¶beli concluiu que as matérias divulgadas por dois veículos de comunicação do Paraná não foram publicidade institucional da candidata, mas veiculação de notícias produzidas a partir da interpretação dada pelos jornalistas ao anúncio feito pela representada. Ora, se determinado candidato divulga um fato e tal divulgação vira notícia na imprensa, não se pode dizer que houve publicidade institucional, mas legítimo exercício da atividade jornalística, o qual não pode ser cerceado ou censurado vez que a plena liberdade de imprensa e de expressão é garantida constitucionalmente!, justifica o juiz.

Cota de compras na fronteira continua em US$ 300, anuncia Gleisi

A cota de compras na fronteira de Foz do Iguaçu vai continuar sendo de US$ 300. O anúncio da suspensão da Portaria n!º 307, do Ministério da Fazenda, que iria reduzir a cota de compras na tríplice fronteira para US$ 150, foi feito pela senadora Gleisi Hoffmann, candidata ao governo estadual, direto de Assunção, onde cumpre agenda com governantes paraguaios.
A cota de compras na fronteira de Foz do Iguaçu vai continuar sendo de US$ 300. O anúncio da suspensão da Portaria n!º 307, do Ministério da Fazenda, que iria reduzir a cota de compras na tríplice fronteira para US$ 150, foi feito pela senadora Gleisi Hoffmann (PT), candidata ao governo estadual, direto de Assunção, onde cumpre agenda com governantes paraguaios.

A redução da cota de importação, sem incidência de impostos, por via terrestre, de US$ 300 para US$ 150 por pessoa, nem entrou em vigor e será suspensa pelo governo. A informação foi divulgada hoje pela senadora Gleisi Hoffmann, candidata a governadora do Paraná, justamente do Paraguai, onde cumpre agenda com os governantes daquele país. Um novo texto deve ser publicado amanhã (23) no Diário Oficial da União e, por enquanto, tudo permanece como está.

“Esta medida não vai entrar em vigência. Era, na realidade, uma regulamentação sobre free shops e não deveria tratar da cota. A redução será suspensa e vamos voltar à  cota de US$ 300!, disse. Na manhã de hoje, a candidata se encontrou com o presidente Horácio Cartes, no Palácio de los Lopes, e visitou o Senado paraguaio.

Veja essa: Taniguchi, secretário de Richa, leva calote de US$ 450 mil de empresários paraguaios

Cássio Taniguchi guru ideológico dos ex-governadores José Roberto Arruda (DF) e Jaime Lerner, agora "ilumina" a gestão neoliberal de Beto Richa; segundo jornal paraguaio Vanguardia!, secretário de Planejamento, que defende o calote em fornecedores e servidores públicos para resolver problemas de caixa do Paraná, teria levado um calote de US$ 450 mil de empresários paraguaios; de acordo com site Foz Notícias, Taniguchi aproveitou-se da fama de ex-prefeito de Curitiba e de urbanista para vender consultoria de Plano Diretor; fez, mas não recebeu; é o típico caso de feitiço virando contra o feiticeiro; moral da história: aqui se faz, aqui se paga.
Cássio Taniguchi guru ideológico dos ex-governadores José Roberto Arruda (DF) e Jaime Lerner, agora “ilumina” a gestão neoliberal de Beto Richa; segundo jornal paraguaio Vanguardia!, secretário de Planejamento, que defende o calote em fornecedores e servidores públicos para resolver problemas de caixa do Paraná, teria levado um calote de US$ 450 mil de empresários paraguaios; de acordo com site Foz Notícias, Taniguchi aproveitou-se da fama de ex-prefeito de Curitiba e de urbanista para vender consultoria de Plano Diretor; fez, mas não recebeu; é o típico caso de feitiço virando contra o feiticeiro; moral da história: aqui se faz, aqui se paga.
Parece piada pronta, mas não é. O secretário de Estado de Planejamento do Paraná, Cássio Taniguchi, braço direito do governador Beto Richa (PSDB), levou um calote de US$ 450 mil de empresários privados do Ciudad Del Este, no Paraguai.

Taniguchi é um dos principais ideólogos no governo tucano que defende o calote em fornecedores, paralisação de obras e descumprimento de acordos com os servidores públicos para resolver a crise financeira do estado.

à‰ o típico caso do feitiço se voltando contra o feiticeiro.

Segundo o site Foz Notícias, citando o diário paraguaio “Vanguardia” (clique aqui), Taniguchi teria usado sua fama de ex-prefeito de Curitiba e de urbanista para vender seu peixe aos paraguaios.

Coincidência ou não, os empresários paraguaios alegam a mesma coisa que o governo do Paraná alega quando dá calote na praça: “crise financeira”.

O site iguaçuense afirma que a Aliança Público-privado! contratou o secretário de Richa para fazer o Plano Diretor de Desenvolvimento de Ciudad Del Este, cidade paraguaia que faz fronteira com Foz do Iguaçu (PR). Detalhe: até agora nada pagou. Deu calote.

Moral da história: aqui se faz, aqui se paga.

Leia a matéria de Digão Monzon, site Foz Notícias:

Calote à  Paraguaia !“ Tanigushi espera pagamento de U$ 450 mil

Richa perde o controle e PCC já toma conta da tríplice fronteira

Reportagem no Jornal Hoje! do deputado tucano Alfredo Kaefer, de Cascavel, revela que governo Beto Richa perdeu o controle da Segurança Pública na região da tríplice fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina); Primeiro Comando da Capital (PCC), segundo relatório do Ministério Público de São Paulo, tem 626 membros no Paraná, dos quais 545 estão presos; secção paranaense do PCC é a segunda maior do país; enquanto isso, o governador tucano está em New York, New York...
Reportagem no Jornal Hoje! do deputado tucano Alfredo Kaefer, de Cascavel, revela que governo Beto Richa perdeu o controle da Segurança Pública na região da tríplice fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina); Primeiro Comando da Capital (PCC), segundo relatório do Ministério Público de São Paulo, tem 626 membros no Paraná, dos quais 545 estão presos; secção paranaense do PCC é a segunda maior do país; enquanto isso, o governador tucano está em New York, New York…
O insuspeito Jornal Hoje, de Cascavel, no Oeste do Paraná, traz reportagem de Juliet Manfrin sobre a instalação do PCC (Primeiro Comando da Capital) na região da tríplice fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina). Na prática, o jornal, de propriedade do deputado federal tucano Alfredo Kaefer (PSDB), denuncia o que todos os paranaenses já sabem faz tempo: Beto Richa (PSDB) perdeu o controle da Segurança Pública. Enquanto o pau canta na fronteira, o tucano visita New York, New York… Leia o texto:

PCC avança e Cascavel se torna importante polo na fronteira

por Juliet Manfrin

A incorporação de pequenos grupos criminosos já faz parte da estratégia ousada do PCC (Primeiro Comando da Capital) que praticamente exterminou, a partir da fusão, com o segundo mais poderoso da área: o Comando vermelho. Para isso, a organização que nasceu no estado de São Paulo e que comanda atos criminosos de dentro de cadeias e presídios em todo o País, está se alastrando e criando raízes cada vez mais profundas em inúmeras cidades brasileiras.

O acompanhamento feito por forças policiais na região Oeste revela que o PCC está, mais do que nunca, presente em alguns municípios. Cascavel já funciona como um dos núcleos mais importantes ao bando que também tem agido como intermediador entre gangues e pequenas ações, uma espécie de célula-mãe, um paladino da justiça no meio. O Primeiro Comando tem dado a cartada final para resolver conflitos entre grupos criminosos.