Ratinho Junior testa positivo para covid e velha mídia corporativa do Paraná fica comovida

Ratinho Junior testa positivo para covid e velha mídia corporativa do Paraná fica comovida

‘Desejamos melhoras para o Senhor, governador Ratinho Junior’, desejam os barões da velha mídia corporativa do Paraná.

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), aliado político do presidente Jair Bolsonaro (PSL), testou positivo para a covid-19 nesta sexta-feira (07/01).

Ratinho Junior cancelou agendas públicas e o mandatário estadual, sem sintomas, permanecerá em isolamento em sua residência em Curitiba pelos próximos dias.

Ratinho Junior é ‘bem quisto’ pela mídia paranaense porque ele investe nesse setor mais do que em esporte e cultura, por exemplo. A licitação em curso de R$ 95 milhões para selecionar cinco agências de propaganda, de certa forma, justifica a blindagem do governador nos assuntos mais espinhosos do estado:

  • falta de reajuste para os funcionários públicos;
  • tarifa abusiva na conta de água;
  • tarifa abusiva na conta de luz;
  • racionamento de água [por falta de investimentos do governo];
  • privatização da Copel Telecom e piora no serviço de internet;
  • pedágio por mais 30 anos e 15 novas praças; e
  • renúncia fiscal de R$ 17 bilhões para empresas ocultas.

Segundo Garganta Profunda do Palácio Iguaçu, informante do Blog do Esmael dentro do governo do Paraná, na antessala de Ratinho Junior, essa licitação de agência de propaganda tem tudo para dar “Pro-Agro”, isto é, pode ser anulada porque o Ministério Público teria encontrado no edital coisas de arrepiar até o cabelo do ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Dentre os quesitos exigidos no edital de licitação estão a realização de duas campanhas ou cases de sucesso durante a pandemia –quando poucas ou quase nenhuma agência produziram campanhas governamentais, a não ser as que já estavam servindo à administração pública em contratos antigos.

Quanto à saúde do govenador Ratinho Junior, os donos das empresas de comunicação da velha mídia desejam rápida restauração.

Requião ameaça mostrar ‘coxas saradas’ para forçar presidenciáveis a discutir programas de governo