No início de 2017, a imprensa internacional deu uma “barriga” ao registrar que a juíza Lee Jung-mi chegou ao tribunal com bobes no cabelo para anunciar impeachment da presidente na Coreia do Sul; segundo os jornalões, inclusive O Globo, ela teria “esquecido” o rolinho. Não, ela não esqueceu os bobes. Era um estilo da magistrada. Foto: reprodução/redes sociais

Por que as mulheres sul-coreanas usam bobes de cabelo em público?

As moças só querem ser capazes de “fazer o que quiserem em paz”.

Elas são contra a ditadura do padrão de beleza imposto pela sociedade capitalista.

Em um vagão do metrô em uma tarde recente de outono, sete jovens sul-coreanas ficaram quietas entre uma multidão de passageiros. Eles usavam jaquetas sazonais e corta-vento assim como os outros passageiros, mas um acessório os fazia se destacar: modeladores de cabelo antiquados presos firmemente em sua franja, conhecidos como “bobes” pelas mulheres brasileiras, que jamais se atreveriam a usá-los em público.

Esses cilindros de plástico, os “bobes”, geralmente cobertos com velcro, podem ser vistos em quase todos os lugares ao redor de Seul – em cafés e restaurantes, no transporte público, na rua.

E embora possam parecer vestígios de uma era anterior, as jovens sul-coreanas que os usam dizem que não são apenas funcionais, mas também um sinal de mudança de ideias sobre gênero e beleza e um reflexo da divisão geracional do país.

Jung Yoon-won, uma estudante universitária de 23 anos de Seul que usa bobes diariamente, disse que os usava fora de casa para manter a franja perfeita antes de ir a um evento ou reunião. Ela disse que sua mãe havia pedido que ela parasse, temendo que outros considerassem isso impróprio.

Mas para Jung, a aparência é mais importante no destino do que no caminho até lá. “Você só precisa ter uma boa aparência na frente das pessoas de quem gosta”, disse ela.

Essa atitude independente é compartilhada por muitos jovens que não se sentem obrigados às convenções que antes eram estritamente observadas na sociedade sul-coreana. Os jovens de hoje dizem que estão menos preocupados com o que as outras pessoas pensam e estão optando por uma vida mais despreocupada.

Jung não vê os bobs como uma relíquia do passado, mas como uma ferramenta para ajudá-la a ficar mais bonita enquanto ela cruza a cidade de um lugar para o outro.

“Existe uma noção de que as mulheres de hoje devem sempre ter seus cabelos apresentáveis”, disse ela. Ela se irritou com a ideia de apoiar padrões de beleza antiquados ou se agarrar aos dias em que sair de casa em Seul sem o cabelo e a maquiagem perfeitos era como sair de casa sem usar roupas.

Ao contrário das gerações anteriores de mulheres que sentiam que era necessário se arrumar em particular, escondidas da vista dos homens, ela e outras se importam muito menos se seus esforços de higiene são visíveis, disse Jung. “É por isso que não importa se você tem um encrespador no metrô ou no café.”

Os bobes de cabelo na Coreia do Sul são normalmente usados ​​na franja. Custando apenas 80 centavos cada, são acessíveis para a maioria das mulheres. As celebridades coreanas costumam postar fotos nas redes sociais com bobes esportivos. As mulheres mais velhas ficam intrigadas e perplexas com o fenômeno.

Lee Jeong-jin, 51, tem uma filha de 21 que costuma usar bobes fora de casa, para grande decepção da mãe. Lee, que mora perto de Seul, disse que não é incomum que os jovens tenham uma atitude “e daí”.

Ela pode se relacionar. Usar spray de cabelo para criar penteados altos e volumosos era a tendência na Coreia do Sul quando ela era adolescente, disse ela. “Tenho certeza de que a geração mais velha pensava que éramos os estranhos naquela época”, disse ela.

Ainda assim, Kim Ji-in, 54, vê os modeladores de cabelo como parte de uma mudança mais ampla entre as jovens que sentem que deveriam ter permissão para se comportar como quiserem em público, sem ter que seguir as expectativas sobre beleza e gênero.

“Eu vi uma mulher na casa dos 20 anos sentada no chão do metrô com a maquiagem esparramada na frente dela”, disse ela. Em sua época, era impensável para uma mulher sair de casa com rolos no cabelo, acrescentou ela.

A resistência aos padrões de beleza muitas vezes rígidos da Coreia do Sul e a visões restritivas sobre gênero não é nova. Depois que as alegações de #MeToo varreram o país alguns anos atrás, algumas mulheres responderam com “Fuja do Corset”, um movimento no qual elas abandonaram a maquiagem e usaram cortes redondos para protestar contra as crenças opressivas sobre atratividade física.

Ainda assim, o país tem uma das principais indústrias de beleza do mundo, respondendo por quase 3% do mercado global de beleza em 2019, de acordo com a International Trade Administration, uma agência governamental dos Estados Unidos.

A indústria de cosméticos sul-coreana floresceu apesar da pandemia. A Amorepacific, um dos maiores conglomerados de beleza do país, relatou um aumento anual de 8,5% nas vendas no primeiro trimestre de 2021. As exportações de produtos de beleza também aumentaram 16% em relação ao ano anterior, de acordo com a Associação Comercial da Coréia.

Porém, cada vez mais, os jovens dizem que preferem vir como estão.

Kim Dong-wan, um pesquisador de 25 anos de Seul, disse que ficou confuso quando viu pela primeira vez mulheres usando bobes de cabelo em público, cerca de seis anos atrás. Agora ele diz que é “indiferente” e que as mulheres hoje em dia são menos pressionadas a esconder essas coisas e também exigem mais respeito. “Os tempos mudaram muito”, disse ele.

Embora os sul-coreanos mais velhos possam não aprovar o uso de modeladores [bobes] de cabelo em público, Yoon Da-young, uma estudante de 22 anos de Seul, disse que não é seu lugar entender a cultura jovem ou por que adolescentes e mulheres na casa dos 20 anos o fariam com orgulho saia com bobes no cabelo. “A tendência é usá-los agora”, disse ela.

As moças só querem ser capazes de “fazer o que quiserem em paz”.

No início de 2017, a imprensa internacional deu uma “barriga” ao registrar que a juíza Lee Jung-mi chegou ao tribunal com bobes no cabelo para anunciar impeachment da presidente na Coreia do Sul; segundo os jornalões, inclusive O Globo, ela teria “esquecido” o rolinho. Não, ela não esqueceu os bobes. Era um estilo da magistrada, que antecipou uma tendência entre as mulheres sul-coreanas.

Veja como enrolar bobes no cabelo