Júri popular do caso Marcelo Arruda é adiado para abril de 2024

O júri popular do caso do assassinato do guarda municipal Marcelo Arruda, cometido pelo policial penal Jorge Guaranho, foi adiado para o dia 4 de abril de 2024.

A decisão foi tomada pelo juiz Gustavo Germano Francisco dos Santos, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, atendendo a um pedido da defesa do réu.

A defesa de Guaranho alegou que recebeu novas provas do Ministério Público no dia 22 de novembro, às vésperas do início do julgamento.

>>Justiça nega liberdade para bolsonarista que matou petista em Foz do Iguaçu (PR)

O juiz Germano Francisco considerou que o prazo para a defesa se manifestar sobre as novas provas era insuficiente e decidiu adiar o júri para que ela pudesse se preparar adequadamente.

O adiamento do júri foi recebido com indignação pela família de Marcelo Arruda e por movimentos sociais que lutam contra a violência política.

Economia

O advogado da família, Daniel Godoy Junior, afirmou que o pedido da defesa de Guaranho é uma tentativa de “desqualificar a atuação do Ministério Público” e de “minar uma solução célere, almejada pela sociedade”.

>>Caso Marcelo Arruda: Bolsonarista que assassinou petista vai à júri popular em dezembro

“A impunidade não é companheira da prestação jurisdicional eficiente, da segurança e da paz social que ocorrerá com um julgamento justo e isento como o que se constrói até aqui”, disse Godoy Junior.

[Texto continua após foto…]

DanielGodoy entrevistacomEsmaelMorais
Advogado Daniel Godoy no Blog do Esmael

O caso Marcelo Arruda

O assassinato de Marcelo Arruda aconteceu em 9 de julho de 2022, na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná.

Arruda, que era tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), comemorava seu aniversário de 50 anos com familiares e amigos em uma festa temática do partido.

Guaranho, que é um policial penal bolsonarista, invadiu a festa e atirou em Arruda.

>>Visita de Lula traz à tona lembrança do primeiro ano do assassinato de Marcelo Arruda

O caso foi amplamente divulgado pela imprensa e provocou uma onda de indignação no Brasil.

O júri popular do caso estava marcado para começar no dia 7 de dezembro de 2023.

Guaranho responde por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e por emboscada.

A pena prevista para o crime é de 12 a 30 anos de prisão.

>>Bolsonarista que matou tesoureiro do PT vai a júri popular; entenda o caso Marcelo Arruda

O que esperar do julgamento

O julgamento de Jorge Guaranho será um dos mais importantes da história recente do Brasil.

O caso tem o potencial de ser um marco na luta contra a intolerância política e a violência no país.

A defesa de Guaranho deve tentar alegar que o crime foi cometido em legítima defesa.

O réu alega que foi ameaçado por Arruda e que atirou em legítima defesa.

>>Violência política: União é condenada no caso Marcelo Arruda, tesoureiro do PT assassinado por bolsonarista

O Ministério Público, por sua vez, deve tentar provar que o crime foi premeditado e que Guaranho agiu motivado por intolerância política.

O MP afirma que a prova é robusta e que a condenação de Guaranho é certa.

O julgamento deve ser acompanhado com atenção pela sociedade brasileira.

O resultado do julgamento pode ter um impacto significativo na luta contra a intolerância política e a violência no país.

One Reply to “Júri popular do caso Marcelo Arruda é adiado para abril de 2024”

Comments are closed.