Folha, que torce por Bolsonaro, dá azo ao bolsonarismo em 2022

Folha, que torce por Bolsonaro, dá azo ao bolsonarismo em 2022

Google News

Cada um cumpre um papel nas eleições de 2022. A Folha, por exemplo, o de açular o bolsonarismo contra a candidatura do ex-presidente Lula (PT).

Na edição desta terça-feira (18/01), o jornalão paulistano cravou que a “Morte de Celso Daniel retorna como tema eleitoral 20 anos depois” [sic].

Evidentemente que se trata de um tema frio que a Folha puxa em todas as eleições com o intuito de não discutir os programas neoliberais que quebraram o país, aumentou o número de pobres, e concentrou o orçamento da União nas mãos dos banqueiros e especuladores. O jornal Folha de S.Paulo pertence a um banco, o PagBank, e a empresa especula com as notícias para ganhar dinheiro.

A Polícia Civil de São Paulo, que é tucana, já concluiu que se tratou de crime comum, e seis homens foram presos e um adolescente, apreendido. Os adultos foram julgados e condenados em júri popular. No entanto, a Folha acredita que ao vincar o tema a Lula e ao PT está prestando um serviço ao leitor –quando na verdade apenas dá azo ao bolsonarismo e às fake news.

O jornalão produz conteúdo que alimenta uma teoria da conspiração segunda qual Celso Daniel estaria envolvido num esquema de corrupção e propina e sua morte teria sido queima de arquivo, a despeito de a polícia do governo do PSDB afirmar que foi um crime comum ocorrido há 20 anos.

Nas eleições deste ano, a Folha está assumindo um papel que o “QAnon”, movimento conspiracionista americano de extrema direita que apoiou Donald Trump. No caso da velha mídia corporativa brasileira, a ideia é apoiar novamente o presidente Jair Bolsonaro (PL) em seu projeto de reeleição.

Sob o manto do “jornalismo profissional”, a Folha ainda faz um link do caso Celso Daniel, um crime comum, com outro que sempre cheirou a fraude: o suposto atentado a facadas de Adélio Bispo.

Veja também  Não vai ter golpe: Lewandowski mantém Renan relator na CPI do Genocídio/Covid

A Folha, que torce por Bolsonaro, parece que se prestará [mais uma vez] ao papel da baixaria para evitar discutir o que realmente é importante para o País: a economia.

Portanto, não olhe para a Folha.