Facebook censura matéria sobre tortura na ditadura militar do Brasil

► Meta/Facebook adota o mesmo discurso da ditadura ao afirmar que assassinato de Vlado Herzog foi “suicídio”

O Facebook foi rebatizado pelo seu dono Mark Zuckerberg como Meta, mas a prática de censura ideológica na plataforma de aplicação continua a mesma de antes.

A empresa de Zuckerberg censurou uma matéria do Blog do Esmael, publicada nesta terça-feira (26/04), sobre a abominável prática de tortura durante a ditadura militar.

A aplicação de internet removeu conteúdo desta página independente e progressista alegando que houve violação das políticas do Facebook, que entendeu uma imagem do jornalista Vladimir Herzog, assassinado pela ditadura militar [† 25 de outubro de 1975], como se fosse um “suicídio”.

Ocorre que o regime fardado, que assombrou o País entre 1964 e 1985, também divulgou essa foto de Vlado [enforcado na prisão] como se ele tivesse cometido suicídio. Ou seja, os militares foram os primeiros a adotar o negacionismo no combate ideológico a adversários.

Herzog era judeu, assim como Zuckerberg, mas isso não vem ao caso para o Facebook.

Facebook censura matéria sobre tortura e ditadura militar no Brasil
Facebook removeu conteúdo do Blog do Esmael alegando que houve violação das políticas do Facebook, que entendeu uma imagem do jornalista Vladimir Herzog, assassinado pela ditadura militar [† 25 de outubro de 1975], como se fosse um “suicídio”.
A matéria removida pelo Facebook reverberava o discurso do deputado Missionário Ricardo Arruda (União), na Assembleia Legislativa do Paraná, no qual negava a existência da ditadura militar e defendia a tortura no Brasil.

Além de dizer que “nunca houve ditadura em nosso país” o deputado “terrivelmente evangélico” disse que “os únicos que dizem que foram torturados foi quem mereceu ser torturado”.

O deputado bolsonarista Ricardo Arruda é missionário da Igreja Mundial do Poder de Deus, a mesma do apóstolo Valdemiro Santiago.

Voltemos à censura do Facebook.

Não foi a primeira vez que a empresa de Mark Zuckerberg censurou o Blog do Esmael, e, possivelmente, outras páginas não alinhadas ao establishment.

No final de março último, o Facebook também bloqueou a conta do Blog do Esmael porque este publicou informações “proibidas” acerca da guerra na Ucrânia [Neonazistas ucranianos combatem a Rússia com armamentos de países ocidentais].