EUA podem ceder sistema avançado de foguetes de longo alcance para a Ucrânia

► Apresentadora de TV russa alerta sobre cruzar uma ‘linha vermelha’

O governo Joe Biden está se preparando para intensificar o tipo de armamento que está oferecendo à Ucrânia enviando sistemas avançados de foguetes de longo alcance que agora são o principal pedido de autoridades ucranianas, dizem várias autoridades americanas.

O governo está inclinado a enviar os sistemas como parte de um pacote maior de assistência militar e de segurança à Ucrânia, que pode ser anunciado na próxima semana.

Altos funcionários ucranianos, incluindo o presidente Volodymyr Zelensky, pediram nas últimas semanas que os EUA e seus aliados forneçam o Multiple Launch Rocket System, ou MLRS. Os sistemas de armas fabricados nos EUA podem disparar uma enxurrada de foguetes a centenas de quilômetros – muito mais longe do que qualquer um dos sistemas que a Ucrânia já possui – o que os ucranianos argumentam que poderia ser um divisor de águas em sua guerra contra a Rússia.

Outro sistema que a Ucrânia solicitou é o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade, conhecido como HIMARS, um sistema de rodas mais leve capaz de disparar muitos dos mesmos tipos de munição que o MLRS.

Nas últimas semanas, a Rússia atacou a Ucrânia no leste, onde a Ucrânia está superada e desarmada, disseram autoridades ucranianas.

O governo Biden renunciou por semanas, no entanto, ao envio dos sistemas, em meio a preocupações levantadas no Conselho de Segurança Nacional de que a Ucrânia poderia usar as novas armas para realizar ataques ofensivos dentro da Rússia, disseram autoridades.

Na sexta-feira, depois que a CNN divulgou a notícia pela primeira vez, os russos alertaram que os Estados Unidos “cruzarão uma linha vermelha” se fornecerem os sistemas para a Ucrânia.

– Os EUA pretendem discutir a questão do fornecimento dessas armas à Ucrânia já na próxima semana – disse Olga Skabeeva, uma proeminente apresentadora de TV russa, em seu programa de destaque na rede estatal Rossiya-1. “No momento, o assunto está sendo tratado pela administração presidencial dos Estados Unidos. Então, agora, não estamos nem falando mais de armas táticas, mas sim de armas táticas-operacionais.”

Ela continuou: “O MLRS dos EUA pode lançar projéteis a mais de 500 quilômetros. E se os americanos fizerem isso, eles cruzarão claramente uma linha vermelha e registraremos uma tentativa de provocar uma resposta muito dura da Rússia”.

Veja também  Otan reforça fronteiras orientais à medida que as tensões na Ucrânia aumentam com possibilidade de ocupação da Rússia
Sistema de Lançamento de Foguetes dos EUA
EUA podem ceder sistema avançado de foguetes de longo alcance para a Ucrânia

Embora Skabeeva não fale pelo Kremlin, suas opiniões frequentemente refletem o pensamento oficial.

O senador republicano Lindsey Graham, da Carolina do Sul, respondeu à reportagem da CNN no Twitter na sexta-feira, dizendo que estava frustrado pelo fato de o governo Biden estar “se arrastando” para dar à Ucrânia os sistemas de foguetes.

Na sexta-feira, o secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, sugeriu que uma decisão final sobre o MLRS ainda não havia sido tomada. “Certamente estamos atentos e cientes dos pedidos ucranianos, privada e publicamente, pelo que é conhecido como sistema de lançamento múltiplo de foguetes. E não vou me antecipar a decisões que ainda não foram tomadas”, disse Kirby a repórteres durante uma entrevista coletiva.

A questão de fornecer ou não os sistemas de foguetes estava no topo da agenda nas duas reuniões da semana passada na Casa Branca, onde vice-membros do Gabinete se reuniram para discutir a política de segurança nacional, disseram autoridades. No centro da questão estava a mesma preocupação com a qual o governo tem lidado desde o início da guerra – se o envio de armamento cada vez mais pesado para a Ucrânia será visto pela Rússia como uma provocação que poderia desencadear algum tipo de retaliação contra os EUA.

Um grande problema, disseram as fontes, foi o extenso alcance dos sistemas de foguetes. O MLRS e sua versão mais leve, o HIMARS, podem ser lançados a até 300 km, ou 186 milhas, dependendo do tipo de munição. Eles são disparados de um veículo móvel em alvos terrestres, o que permitiria aos ucranianos atacar mais facilmente alvos dentro da Rússia.

Acredita-se que a Ucrânia já tenha realizado vários ataques transfronteiriços dentro da Rússia, que as autoridades ucranianas não confirmam nem negam. Autoridades russas disseram publicamente que qualquer ameaça à sua pátria constituiria uma grande escalada e disseram que os países ocidentais estão se tornando um alvo legítimo na guerra, continuando a armar os ucranianos.

Outra grande preocupação dentro do governo Biden era se os EUA poderiam se dar ao luxo de doar tantas armas de ponta retiradas dos estoques militares, disseram as fontes.

Veja também  Lula e Gleisi na Folha: 'Brasil deve ser protagonista e não pária do clima global'

Questionado na segunda-feira se os EUA forneceriam os sistemas, o secretário de Defesa Lloyd Austin se opôs. “Não quero adiantar onde estamos no processo de requisitos de recursos”, disse ele a repórteres.

O governo tinha preocupações semelhantes sobre fornecer à Ucrânia caças MiG-29 adicionais, que alguns temiam que pudessem permitir que os ucranianos levassem a luta para a Rússia. Em última análise, os EUA decidiram não encher a Polônia com novos jatos, o que permitiria aos poloneses equipar a Ucrânia com os MiGs da era soviética.

O debate sobre o MLRS também é semelhante ao que ocorreu antes que os EUA decidissem começar a enviar obuses mais pesados ​​e de longo alcance para a Ucrânia no mês passado. Os pacotes de armas concentraram-se em mísseis antiaéreos Javelin antitanque e Stinger de curto alcance, bem como armas pequenas e munições. Na época, os Howitzers M777 marcaram um aumento significativo no alcance e na potência em relação aos sistemas anteriores, mas mesmo aqueles atingem cerca de 25 quilômetros ou 18 milhas de alcance. O MLRS pode disparar muito mais longe do que qualquer artilharia que os EUA enviaram até hoje.

Uma solução alternativa poderia ser fornecer à Ucrânia sistemas de foguetes de menor alcance, disseram autoridades, o que também está sendo considerado. Não levaria muito tempo para treinar os ucranianos em qualquer um dos sistemas de lançamento de foguetes, disseram autoridades à CNN – provavelmente cerca de duas semanas, disseram eles.

Cada redução dos estoques existentes envolve uma revisão de seu efeito potencial na prontidão militar dos EUA. Com os levantamentos anteriores, o risco foi “relativamente baixo”, disse o presidente do Joint Chiefs, general Mark Milley, na segunda-feira. Os militares estão observando “com muito, muito cuidado” para garantir que os estoques não caiam abaixo dos níveis que criam um risco maior, acrescentou.

A preocupação cresce significativamente com sistemas mais capazes e mais caros, dos quais os EUA não têm uma oferta tão grande, disseram as fontes.

Funcionários do Pentágono se reuniram com o CEO da Lockheed Martin na semana passada para discutir o fornecimento e aumentar a produção do MLRS, disse uma fonte familiarizada com a reunião à CNN. A reunião foi liderada pelo subsecretário de Defesa para Aquisição e Sustentação Bill LaPlante.

Veja também  PT destaca o ocaso do ex-juiz suspeito Sergio Moro como grande acontecimento de 2021

O Reino Unido também está decidindo se enviará os sistemas, disseram dois funcionários à CNN, e gostaria de fazê-lo em conjunto com os EUA.

A frustração cresceu no lado ucraniano com a indecisão dos EUA nas últimas semanas, porque eles acreditam que, uma vez que os EUA enviem os sistemas, outros países rapidamente seguirão o exemplo.

Ainda nesta semana, o Pentágono havia dito à Ucrânia que “estamos trabalhando nisso”, disse uma autoridade ucraniana irritada, que acrescentou que a Ucrânia está pedindo uma atualização sobre a decisão “a cada hora”.

– Precisamos muito de armas que tornem possível enfrentar o inimigo a longa distância”, disse o principal comandante militar da Ucrânia, general Valeriy Zaluzhnyi, na quinta-feira. “E isso não pode ser adiado, porque o preço do atraso é medido pelas vidas das pessoas que protegeram o mundo [do fascismo russo].

Quando o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, foi questionado na quinta-feira sobre quais são as necessidades mais urgentes de seu país, ele respondeu: “Se você realmente se importa com a Ucrânia, armas, armas e armas novamente”.

– Minha frase menos favorita é ‘Estamos trabalhando nisso’; eu odeio isso. Quero ouvir ‘Conseguimos’ ou ‘Não vai acontecer’ – acrescentou.

O deputado democrata Jason Crow, do Colorado, que fez parte de uma viagem de delegação do Congresso a Kyiv no início deste mês, disse à CNN que acredita que os sistemas podem ajudar a Ucrânia a ganhar um impulso significativo contra a Rússia.

– Acho que pode ser um divisor de águas, para ser honesto com você – disse Crow, não apenas para ataques ofensivos, mas também para defesa. Ele explicou que a artilharia convencional russa, que tem um alcance de cerca de 50 km, “não chegaria perto” dos centros urbanos ucranianos se os sistemas MLRS fossem posicionados lá. “Assim, isso eliminaria suas táticas de cerco”, disse ele sobre os russos.

As informações são da CNN Internacional