Câmara vota proposta que amplia integrantes no Conselho do Ministério Público. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Ao vivo: Câmara vota proposta que amplia integrantes no Conselho do Ministério Público; acompanhe

O deputado Paulo Magalhães (PSD-BA) apresentou nesta quinta-feira (14/10) parecer que amplia o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Serão 17 integrantes (ante os atuais 14), sendo 5 indicados ou eleitos pelo Poder Legislativo (hoje são 2). Ele é relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 5/21.

O texto também trata da escolha do corregedor nacional do Ministério Público, que será o vice-presidente do CNMP, e determina a elaboração de um código de ética no prazo de 120 dias após a promulgação da emenda constitucional. Se esse prazo não for cumprido, caberá ao Congresso elaborar uma lei ordinária.

“A proposta integra-se de modo harmônico ao sistema de freios e contrapesos, com a vantagem de incrementar a legitimidade democrática do CNMP”, anotou Magalhães. O conselho continuará assim a exercer a fiscalização administrativa, financeira e disciplinar, mantida a autonomia do Ministério Público.

O mandato dos integrantes do CNMP, órgão de controle do Ministério Público e de seus membros, continuará a ser de dois anos, permitida uma recondução, e cada candidato precisará passar por sabatina no Senado. A presidência do conselho nacional permanecerá com o procurador-geral da República.

Polêmica no plenário

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), primeiro signatário da PEC, também afirmou que foram superados todos os questionamentos, em especial com o prazo dado no parecer para que o CNMP elabore o código de ética do Ministério Público. “A independência está preservada, a autonomia está preservada”, afirmou.

O deputado Alex Manente (Cidadania-SP) também apoiou a aprovação. “Estou muito seguro de que os pleitos do Ministério Público foram atendidos, que o combate à corrupção e à impunidade não acabará, não retroagirá”, disse. Ele também lamentou que esses pleitos estejam sendo alterados a todo momento.

De outro lado, os deputados Hildo Rocha (MDB-MA) e Tadeu Alencar (PSB-PE) alertaram o Plenário que não haveria de fato um consenso sobre as mudanças. As bancadas de outros cinco partidos – PDT, Podemos, Psol, Novo e Rede – também defenderam o adiamento da votação e a continuidade dos debates.

Acompanhe a sessão ao vivo

Leia também

Aprosoja ocupada pela Via Campesina é símbolo da fome e de atos antidemocráticos no País

Nova pesquisa mostra recuperação de Bolsonaro e isso explica desespero de Ciro Gomes

Em busca de trégua com a velha mídia, Bolsonaro sinaliza com a privatização da Petrobras