Ratinho Junior e PP posam para foto

Kassab rejeita liberar Ratinho Junior para apoiar Bolsonaro em 2022

O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), esteve nesta segunda-feira (7/6) com o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), para discutir no estado o palanque de reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Barros disse que o PP estaria disposto a apoiar a reeleição de Ratinho em 2022 desde que houvesse a contrapartida para Bolsonaro, isto é, que o mandatário estadual subisse no palanque do presidente.

O melhor dos mundos para o governador do Paraná seria ficar “neutro” na disputa presidencial do ano que vem. Com os pés largos, Ratinho Junior ficaria com um pé na canoa de Bolsonaro e outro na barca do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Ocorre que o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, mandou avisar que rejeita liberar o partido nas seções regionais para apoiar a reeleição de Bolsonaro. O mandachuva do PSD jurou fidelidade 100% para o petista, portanto, não permitirá jogo duplo nos estados.

Leia também

Kassab é conhecido no mundo político por sua fidelidade. Nos governos de Dilma Rousseff (PT), por exemplo, o dirigente do PSD foi mais fiel que PT, PCdoB, PDT, PP, MDB ou PSOL nas votações do Congresso Nacional.

A cada demonstração de fidelidade nos estados, cuja prioridade é eleger deputados e o próximo presidente da República, Kassab forma uma poupança para conquistar um naco maior do poder –que traduzir-se-á em participação do partido em ministérios e estatais.

Dito isso, se quiser subir na garupa de Bolsonaro, em 2022, Ratinho Junior terá de buscar nova agremiação. Uma das possibilidades seria ele voltar para o PSC, do pastor Everaldo, que está preso. Mas para retornar à antiga legenda, o governador paranaense enfrentaria a resistência da deputada Mabel Canto, combativa adversária na Assembleia Legislativa do Paraná, ferrenha inimiga do pedágio mais caro do mundo.

No encontro havido no Palácio do Iguaçu, sede do governo do Paraná, em Curitiba, Barros reuniu a bancada do PP e Ratinho juntou parlamentares do PSD para uma fotografia, porém tudo pode não passar de intenções.

O PSD “lulou” desde o início do mês passado, quando o ex-presidente Lula se encontrou em Brasília com Kassab. De lá saíram acordo como aquele no Rio, onde a “Geringonça Fluminense” reúne PT, PSD e PSB para disputar o Palácio Guanabara –sede do governo do Rio de Janeiro.

Resumo da ópera: Ratinho Junior e Bolsonaro podem ser atingidos pela “síndrome de Romeu e Julieta” em 2022, ou seja, eles até se amam mas a realidade os impede de ficarem juntos…