intervenção militar

Bolsonaristas e negacionistas, em nome de “Messias”, se unem em “Marcha da Morte” contra o STF

  • O movimento de domingo teme os efeitos da CPI da Covid no Senado e o impeachment do presidente Jair Bolsonaro

O k-suco vai ferver no próximo domingo, dia 11, quando bolsonaristas e negacionsitas prometem marchar pelo País contra a decisão do STF que proibiu cultos e missas durante a pandemia.

Sob o rótulo de ‘Marcha da Família Cristã pela Liberdade’ os fundamentalistas supostamente religiosos dizem que irão às ruas em nome de Messias pela reabertura de igrejas e realização de cerimônias com aglomerações.

Nesta semana, o Supremo Tribunal Federal confirmou a constitucionalidade de prefeitos e governadores impor medidas restritivas, temporárias, para conter o avanço da covid-19.

Segundo a organização da marcha deste domingo, o movimento é uma releitura da “Marcha da Família com Deus pela Liberdade” em 1964 –que tinha o objetivo de “frear o caminho comunista que o país seguia”. Ou seja, na época, o pretexto religioso serviu para derrubar a democracia e impor 21 anos de ditadura militar.

Leia também

Dentre as entidades que convocam a marcha, estranhamente, não há igrejas ou movimentos ligados às denominações religiosos. Pelo contrário> “Pró-Armas”, “Direita”, “Conservadores”, “Movimento Ativista Militar”, etc.

O movimento de domingo –negacionista e bolsonarista– teme os efeitos da CPI da Covid no Senado e o impeachment do presidente Jair Messias Bolsonaro.

Nos meios políticos, jurídicos e sanitários a provocação deste domingo está sendo chamada de “Marcha da Morte” porque poderá aglomerar e disseminar ainda mais o vírus.

“MP, OAB, etc., precisam tomar providências judiciais para barrar essa marcha da morte”, disse ao Blog do Esmael o advogado Clóvis Augusto Veiga da Costa.

Clique aqui para ler o “manual” da Marcha da Morte