flavio dino maranhão

Em carta, governadores da Amazônia Legal pedem leitos de UTI e auxílio emergencial na pandemia

Os nove governadores que compõem o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal divulgaram nesse domingo, 7, a Carta da Amazônia à Nação Brasileira, onde pedem a retomada imediata da habilitação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) e a continuidade do auxílio emergencial por causa da pandemia.

Conforme consta no documento, os gestores estaduais entendem que a retomada da habilitação de leitos no âmbito do SUS é vital “sob pena de se agudizar o problema do subfinanciamento em meses decisivos no enfrentamento à pandemia”.

Diante do cenário atual, os governadores esperam que o Governo Federal dê continuidade à política de auxílio emergencial.

“Do mesmo modo, temos a expectativa de que ocorra a retomada imediata do auxílio emergencial, pois a persistência da pandemia gera múltiplos efeitos econômicos e sociais, demandando medidas compensatórias para as famílias”, enfatizam os gestores dos estados amazônicos na Carta.

O documento é assinado pelos seguintes governadores:

  • Gladson Cameli, do Acre;
  • Antônio Waldez Góes, do Amapá;
  • Wilson Lima, do Amazonas;
  • Flávio Dino, do Maranhão;
  • Mauro Mendes, do Mato Grosso;
  • Helder Barbalho, do Pará;
  • Marcos Rocha, de Rondônia;
  • Antônio Denarium, de Roraima; e
  • Mauro Carlesse, do Tocantins.

O governador do Tocantins, Mauro Carlesse (DEM), ressaltou os aspectos sanitários com a habilitação de leitos pelo SUS e econômicos com novo auxílio emergencial durante a pandemia.

“Todos nós compreendemos a gravidade da pandemia e a necessidade de cuidar das pessoas. Muitas vidas foram perdidas ao longo desses meses e o que mais queremos é ver a população imunizada para frear essa doença que não está de brincadeira. Precisamos que mais leitos sejam habilitados no SUS para podermos atender a todos que necessitam de tratamento. Além disso, devido ao impacto econômico sofrido por todos, é necessário que haja o auxílio emergencial para que pais de família possam prover o sustento dos seus entes”, disse.

Clique aqui para ler a íntegra da carta dos governadores da Amazônia Legal.