Ratinho planeja 15 novas praças de pedágio no Paraná; há resistência à máfia das concessionárias

O governador Ratinho Junior (PSD) planeja 15 novas praças de pedágio, para o desespero dos usuários de rodovias no Paraná. Vai ter luta contra o pedágio no Paraná, prometem deputados estaduais, indicando que haverá resistência à máfia das concessionárias –recentemente investigadas pelo Ministério Público Federal.

O novo modelo “híbrido” está sendo discutido no Ministério da Infraestrutura e tem a anuência de Ratinho. A Secretaria de Estado de Infraestrutura acompanha essa formatação.

O deputado Arilson Chiorato (PT), coordenador da Frente Parlamentar sobre o Pedágio, na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), considera essa cogitação um “absurdo” e um “crime” contra a economia paranaense. Ele conduziu na manhã de hoje uma audiência pública sobre o tema.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), secretário-geral da ALEP, criticou a bancada federal por não defender os paranaenses em Brasília. Segundo ele, deputados federais estariam apoiando esse crime contra os paranaenses para puxar o saco do presidente Jair Bolsonaro.

O Paraná já possui 27 praças de pedágio e o setor produtivo acusa as pedageiras de cobrarem o pedágio mais caro do mundo no estado, o que tira a competitividade dos produtos paranaenses frente aos demais estados e países do Mercosul.

A previsão que as 15 novas praças de pedágio comecem a funcionar em 2023, no segundo ano de vigência do novo contrato.

Veja onde Ratinho planeja novas praças de pedágio:

  • Sengés (PR-151)
  • Siqueira Campos (BR-272)
  • Jacarezinho/Ourinhos (BR-153)
  • Califórnia (BR-376)
  • Norte de Tamarana (PR-445)
  • Jussara (PR-323)
  • Tapejara (PR-323)
  • Perobal/Cafezal do Sul (PR-323)
  • Guaíra/Terra Roxa (BR-272)
  • Guaíra/Mercedes (BR 163)
  • Capitão Leônidas Marques (BR-163)
  • Ampere (PR-182)
  • Renascença (BR 280)
  • Guairaçá (BR-376)

O novo edital de concessão de rodovias deve licitar 3.327 quilômetros, divididos em 42 praças de pedágio.

As empresas ou consórcios vencedores da licitação devem assumir o compromisso de, no prazo de 10 anos, duplicarem 1.861 km de rodovias.

Pelo histórico, as concessionárias não costumam cumprir o contrato na hora de executar obras enquanto reajustam acintosamente as tarifas dos usuários.

O ex-senador e ex-governador Roberto Requião (MDB) ironizou no Twitter dizendo que o Paraná “ganhou” do governo Ratinho 15 novas praças de pedágio e a permanência das antigas.

“Você agora paga para andar nos caminhos, paga para os concessionários, famosos financiadores de campanha e de políticos ladrões e picaretas. Simples assim”, disparou Requião.