Salário mínimo deveria ter sido R$ 5.289,53 em novembro, afirma DIEESE

Compartilhe agora

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), nesta segunda-feira (7), divulgou o valor que deveria ter sido o salário mínimo no mês de novembro: R$ 5.289,53.

Além disso, o órgão de estudo e pesquisa levantou no mês de novembro que o preço do conjunto de alimentos, que compõem a cesta básica, aumentou em 16 das 17 capitais pesquisadas pela Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA).

As cestas mais caras foram verificadas no Rio de Janeiro, em São Paulo e Porto Alegre. As mais baratas foram identificadas em Aracaju João Pessoa e Natal.

O valor do salário mínimo necessário foi estimado em R$ 5.289,53, o equivalente a 5,06 vezes o mínimo vigente de R$ 1.045.

Segundo o DIEESE, o salário mínimo de R$ 5.289,53 daria para arcar com as necessidades de saúde, alimentação, moradia, transporte e lazer –-fazendo cumprir a Constituição Federal de 1988.

Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA) é um levantamento contínuo dos preços de um conjunto de produtos alimentícios considerados essenciais. A PNCBA foi implantada em São Paulo em 1959, a partir dos preços coletados para o cálculo do Índice de Custo de Vida (ICV) e, ao longo dos anos, foi ampliada para outras capitais. Hoje, é realizada em 17 Unidades da Federação e permite a comparação de custos dos principais alimentos básicos consumidos pelos brasileiros.

Os itens básicos pesquisados foram definidos pelo Decreto Lei nº 399, de 30 de abril de 1938, que regulamentou o salário mínimo no Brasil e está vigente até os dias atuais. O Decreto determinou que a cesta de alimentos fosse composta por 13 produtos alimentícios em quantidades suficientes para garantir, durante um mês, o sustento e bem-estar de um trabalhador em idade adulta. Os bens e quantidades estipuladas foram diferenciados por região, de acordo com os hábitos alimentares locais.

O banco de dados da PNCBA apresenta os preços médios, o valor do conjunto dos produtos e a jornada de trabalho que um trabalhador precisa cumprir, em todas as capitais, para adquirir a cesta. Os dados permitem a todos os segmentos da sociedade conhecer, estudar e refletir sobre o valor da alimentação básica no país.

Clique aqui para ler a íntegra da pesquisa do DIEESE.

Óleo de soja teve aumento de 100% em um ano e puxa volta da hiperinflação

Nassif explica aumento no preço do arroz que Bolsonaro e Guedes não entendem; assista

Efeito Bolsonaro: Preço da carne dispara e some do prato do brasileiro

Efeito Bolsonaro: Desemprego bate novo recorde em outubro, diz IBGE