Óleo de soja teve aumento de 100% em um ano e puxa volta da hiperinflação

O fantasma da hiperinflação volta a rondar o Brasil desde o início do Plano Real, em 1994. Muitos dos brasileiros mais jovens não conheciam esse fenômeno econômico, que corrói o poder de compra dos salários e rendas. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), os preços de insumos para o produtor disparam nos últimos 12 meses e chegaram com força ao consumidor final.

A FGV cita matérias-primas como milho, soja, carnes e minério de ferro, que, em um ano, tiveram aumento médio de 68% nos preços. A Fundação menciona a desvalorização do Real e a explosão na cotação do dólar, que propiciam o retorno carestia no País.

O aumento nos preços dos alimentos somado ao desemprego também recorde nesses tempos de Jair Bolsonaro criam um cenário de fome e desespero para milhões de brasileiros, que ainda são ameaçados pelo governo com o fim do auxílio emergencial de R$ 300 neste mês de dezembro.

A FVG aponta os principais itens alimentares que tiveram seus preços majorados de maneira proibitiva:

Preços ao produtor (IPA/FGV)

  • Arroz 118,9%
  • Óleo de soja 108,6%
  • Carne bovina 64,5%
  • Leite 52,6%
  • Aves 33,7%

Preços ao consumidor (IPC/FGV)

  • Arroz 62,1%
  • Óleo de soja 99,1%
  • Carne bovina 33,6%
  • Leite 23,8%
  • Aves 12,6%

Segundo o IPA (Índice de Preços no Atacado da FGV), o arroz subiu 120% no atacado e 62% no varejo nos últimos 12 meses, porém essa “gordura” ainda não foi repassada integralmente aos consumidores, o que pode provocar novos aumentos no alimento.

A previsão é que a inflação continue a subir até maio de 2021, segundo o IBGE. Hoje oficialmente fixada em 4,7%, provavelmente estará em 6%, enquanto os alimento, numa média geral, acumula aumento no ano de 25% no IPC (Índice de Preços ao Consumidor da FGV).

O campeão de repasse aos consumidores é o óleo de soja, 99,1% de aumento em um ano, de acordo com a FGV.

Nassif explica aumento no preço do arroz que Bolsonaro e Guedes não entendem; assista

Efeito Bolsonaro: Preço da carne dispara e some do prato do brasileiro

Efeito Bolsonaro: Desemprego bate novo recorde em outubro, diz IBGE