Covid-19: Número de mortos é superior à população de 97% dos municípios brasileiros

O número de mortos por covid-19 no Brasil, 185.650, é superior à população de 5.410 municípios brasileiros (97%). A quantidade de vidas perdidas durante a pandemia equivale a toda população do 160º município mais populoso do País, Nossa Senhora do Socorro, com 185 706 habitantes, na região metropolitana de Aracajú, estado de Sergipe. O Brasil tem 5.570 municípios.

Segundo o Ministério da Saúde, o número de vidas perdidas para a covid-19 chegou a 185.650 nesta sexta-feira (18).

Nas 24 horas desde o boletim de ontem, foram registradas 823 mortes, número menor as 24 horas anteriores, quando o acréscimo às estatísticas foi de 1.092, batendo a marca dos 1 mil que não ocorria desde setembro. Ainda há 2.253 mortes em investigação.

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite de hoje. O balanço é formado a partir das informações enviadas pelas secretarias de saúde dos estados.

O número de pessoas infectadas desde o início da pandemia somou 7.162.978. Desde ontem foram registrados 52.544 novos diagnósticos positivos de covid-19.

Boletim Epidemiológico da Covid-19 publicado pelo Ministério da Saúde ontem indica aumento de 6% no número de infectados e de 11% nas mortes por covid-19.

Ainda conforme a atualização do órgão, há 779.143 pacientes em acompanhamento. Outras 6.198.185 se recuperaram da infecção.

Covid-19 nos estados

A lista dos estados com mais mortes pela covid-19 é encabeçada por São Paulo (44.878), Rio de Janeiro (24.351), Minas Gerais (11.009), Ceará (9.903) e Pernambuco (9.383). As Unidades da Federação com menos óbitos pela doença são Acre (757), Roraima (769), Amapá (864), dado referente a ontem, Tocantins (1.212) e Rondônia (1.689).

José Dirceu diz que Bolsonaro “bateu no teto” e não vence o segundo turno em 2022

PT, PCdoB, PSB e PDT entram na ‘Frente Ampla’ pela presidência da Câmara

Apoiadores de Bolsonaro prometem manifestação na terça-feira, dia 22, contra o STF e o Congresso

Oposição avalia que ‘a casa de Bolsonaro caiu’ com decisão de Cármen Lúcia