[Ao vivo] Requião ensaia frente em Curitiba com PT, PCdoB e PSOL

Se PT, PCdoB e PSOL fossem femininos, o ex-senador Roberto Requião (MDB) seria o “bendito fruto” numa ‘live’ desta terça-feira (25), às 19 horas, que ocorre nas vésperas das eleições à Prefeitura de Curitiba.

O emedebista já adiantou que não quer disputar a corrida pela sucessão do prefeito Rafael Greca (DEM), mas, ao Blog do Esmael, ele disse que pretende apoiar candidaturas de esquerda na capital paranaense e em outras capitais brasileiras.

O encontro na noite desta quarta vai reunir os pré-candidatos a prefeito Paulo Opuska (PT), Camila Lanes (PCdoB) e Letícia Lanz (PSOL).

O evento tem um nome sugestivo: “Articulação progressista para um projeto popular”.

O Blog do Esmael vai transmitir o debate ao vivo para Curitiba, Paraná, Brasil e mundo. Acompanhe por aqui, a partir das 19h desta terça (25).

O debate será realizado pelos sites “Brasil de Fato” e “Terra Sem Males”.

Assista ao vivo:

LEIA TAMBÉM

Presidente Bolsonaro é uma mãe para a mídia corporativa e os bancos o amam por isso

Assim se passam os dias, os meses e os anos. Bolsonaro fala um impropério qualquer. A mídia corporativa faz a festa. A oposição perde o foco. A sociedade idem, se diverte. Nem precisa mais das novelas da Globo para o entretenimento.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem sido uma mãe para a mídia corporativa ao evitar o debate econômico. Ambos faturam com isso. Se esse tema entrar na pauta nacional esvazia os jornalões e acaba o governo. Eis a verdade.

Por isso o picadeiro não pode parar. Nunca.

Além de interessar a Bolsonaro e aos barões da mídia, o falso debate, também é de interesse dos banqueiros e dos especuladores. Afinal, o que se disputa é o Orçamento da União. É uma guerra contra o povo, que, a cada dia, perde mais direitos e é empurrado à miséria absoluta.

O Fla-Flu entre Bolsonaro e mídia é um jogo de aparências. É um relacionamento de conveniência. Interessa aos dois lados o bate-boca em público. O ônus é menor que o bônus de lado a lado.

Note, caro leitor, em quase dois anos de governo, Jair Bolsonaro ainda não disse qual o projeto de nação. Que rumo pretende para o Brasil. Os jornalões, bancões e televisões nem perguntam sobre isso.

Os donos do poder estão bem confortáveis com a situação atual, apesar de algum dissabor para repórteres que cobrem a política em Brasília.

É preciso mais que quadruplicar o salário mínimo para sair da crise

O Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) estima que o salário mínimo deveria ser de R$ 4,8 mil neste mês de agosto.

Esse valor seria para atender o básico do trabalhador e de sua família, como determina a Constituição Federal de 1988: moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e Previdência Social.

No entanto, o governo do presidente Jair Bolsonaro marcha no sentido contrário –rumo à inconstitucionalidade. Ele e Paulo Guedes, o ministro dos bancos, estabeleceram em R$ 1.045 o mínimo no dia 1° de janeiro de 2020.

Como não bastasse, Guedes e Bolsonaro ainda barbarizaram a legislação trabalhista e restituíram o trabalho semiescravo, informalizado, uberizado, intermitente, pejotizado, enfim, levaram cerca de 80 milhões de pessoas ao desemprego, equivalente a 50% da população economicamente ativa (PEA), a maior taxa do planeta.

Elevaram a idade mínima para a aposentadoria, o que tornou esse benefício praticamente impossível ao trabalhador.

Não há solução para a crise econômica sem salário, sem consumo e sem emprego. Não há ofensa presidencial que consiga driblar essas máximas.

Bolsonaro e Guedes não têm solução para esses três pontos (salário, consumo e emprego). Eles são os agentes da semiescravidão, da carestia e do desemprego.

Não haverá cura para a pandemia do novo coronavírus sem desenvolvimento. Por isso, pode-se afirmar, o governo Bolsonaro será o prolongamento do calvário dos mais pobres, que são os mais vulneráveis à doença da Covid-19.

Revogar as leis que precarizam e escravizam o trabalhador, bem como interromper as privatizações, também são necessidades urgentes para a retomada do desenvolvimento e da prosperidade dos brasileiros.

Há 66 anos o suicídio de Getúlio Vargas abalava o Brasil

Nesta segunda-feira (24) completa 66 anos o suicídio cometido pelo presidente Getúlio Vargas, com um tiro no coração, dado em seu quarto, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, então capital da República. Getúlio, o líder da Revolução de 1930, enfrentava uma violenta campanha contra o seu governo nacionalista, trabalhista e democrático, que criou a Petrobras, o Sistema Eletrobras – ameaçados hoje pelo governo entreguista de Bolsonaro – e as leis sociais de defesa dos pobres.

O gesto extremo abalou o Brasil e milhões de brasileiros, em fúria, saíram às ruas, realizando protestos e um quebra-quebra contra as sedes de jornais opositores de Getúlio (O Globo, por exemplo), emissoras de rádio golpistas, escritórios de empresas e instalações norte-americanas no país. Uma comoção sem precedentes. Os deputados golpistas da UDN, incluindo Carlos Lacerda, donos de jornais e militares que preparavam o golpe, fugiram para Portugal.

Uma carta-testamento foi encontrada ao lado de seu corpo, um documento que resume o pensamento é o ideário político do líder nacionalista. A carta é um chamado para a defesa da soberania do País, de suas riquezas, e do povo trabalhador.

A herança política de Getúlio Vargas perdura até hoje. Líderes políticos como Leonel Brizola (já falecido) e o ex-presidente Lula são lembrados como herdeiros das tradições políticas do grande caudilho gaúcho.

Confira a íntegra da carta-testamento de Getúlio Vargas

“Mais uma vez as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam; e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes.

Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci.

Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo.

A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a Justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios.

Eu vos dei a minha vida.

Agora ofereço a minha morte

Quis criar a liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobras, mal começa esta a funcionar a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre, não querem que o povo seja independente.

Assumi o governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia a ponto de sermos obrigados a ceder.

Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo e renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar a não ser o meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.

Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos.

Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação.

Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com perdão. E aos que pensam que me derrotam respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo, de quem fui escravo, não mais será escravo de ninguém.

Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate.

Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história.”