Há 66 anos o suicídio de Getúlio Vargas abalava o Brasil

Nesta segunda-feira (24) completa 66 anos o suicídio cometido pelo presidente Getúlio Vargas, com um tiro no coração, dado em seu quarto, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, então capital da República. Getúlio, o líder da Revolução de 1930, enfrentava uma violenta campanha contra o seu governo nacionalista, trabalhista e democrático, que criou a Petrobras, o Sistema Eletrobras – ameaçados hoje pelo governo entreguista de Bolsonaro – e as leis sociais de defesa dos pobres.

O gesto extremo abalou o Brasil e milhões de brasileiros, em fúria, saíram às ruas, realizando protestos e um quebra-quebra contra as sedes de jornais opositores de Getúlio (O Globo, por exemplo), emissoras de rádio golpistas, escritórios de empresas e instalações norte-americanas no país. Uma comoção sem precedentes. Os deputados golpistas da UDN, incluindo Carlos Lacerda, donos de jornais e militares que preparavam o golpe, fugiram para Portugal.

Uma carta-testamento foi encontrada ao lado de seu corpo, um documento que resume o pensamento é o ideário político do líder nacionalista. A carta é um chamado para a defesa da soberania do País, de suas riquezas, e do povo trabalhador.

A herança política de Getúlio Vargas perdura até hoje. Líderes políticos como Leonel Brizola (já falecido) e o ex-presidente Lula são lembrados como herdeiros das tradições políticas do grande caudilho gaúcho.

Confira a íntegra da carta-testamento de Getúlio Vargas

“Mais uma vez as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam; e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes.

Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci.

Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo.

A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a Justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios.

Eu vos dei a minha vida.

Agora ofereço a minha morte

Quis criar a liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobras, mal começa esta a funcionar a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre, não querem que o povo seja independente.

Assumi o governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia a ponto de sermos obrigados a ceder.

Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo e renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar a não ser o meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.

Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos.

Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação.

Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com perdão. E aos que pensam que me derrotam respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo, de quem fui escravo, não mais será escravo de ninguém.

Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate.

Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história.”

LEIA TAMBÉM

Deputada quer que todos perguntem a Bolsonaro pelos cheques de Queiroz

O presidente Bolsonaro voltou a “perder as estribeiras” ao ser questionado sobre os pagamentos de Fabrício Queiroz feitos para sua esposa e filho.

Bolsonaro disse a um jornalista do Globo que tinha vontade de “encher a boca de borrada”.

Jandira Feghali (PCdoB-RJ) escreveu em seu Twitter: “Já que Bolsonaro ficou constrangido com a pergunta de um repórter sobre os depósitos de Queiroz na conta da primeira-dama, que tal se todos passassem a confronta-lo sobre isso?

Inclusive com faixas, cartazes e outdoors? Vai querer encher de porrada o outdoor, presidente?”

Já a jovem petista Natália Bonavides compartilhou um vídeo com a fala e escreveu:

“Mais uma vez, a resposta de Bolsonaro a perguntas sobre os casos de corrupção ligados a ele e à sua família é o ataque à imprensa. Hoje ele falou que queria encher a boca de um jornalista de porrada. Não podemos esperar pelo que ele pode fazer amanhã! #ForaBolsonaro”

Está claro que o assunto afeta muito a tranquilidade de Bolsonaro e expõem quem ele realmente é.