PSOL pede que responsável por dossiê contra servidores antifascistas preste explicações na Câmara

Os deputados do PSOL na Câmara apresentaram um requerimento para que o ex-coordenador-geral de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), Gilson Libório de Oliveira Mendes, preste esclarecimentos ao plenário da Casa.

Coronel do Exército, Mendes era o chefe da área que elaborou o dossiê que lista os opositores do governo Bolsonaro. Ele foi demitido ontem pelo ministro da Justiça, André Mendonça, após a grande repercussão do caso.

LEIA TAMBÉM
Ministro da Justiça de Bolsonaro tem 48 horas para explicar ‘arapongagem’ contra adversários políticos

Comissão do Congresso ouvirá ministro da Justiça sobre relatório com dados de servidores opositores do governo

Sérgio Moro está em campanha e já conta com um exército de robôs no Twitter

Os parlamentares querem que Mendes explique a atuação da Seopi na elaboração do relatório sigiloso que traz o nome de 579 servidores federais e estaduais identificados como integrantes do “movimento antifascismo”, contrário ao governo Bolsonaro.

“É grave que o governo utilize o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) como polícia política para perseguir seus opositores. A Secretaria de Operações Integradas (Seopi) foi criada com o suposto objetivo de integrar operações policiais contra o crime organizado”, lembra o documento assinado pela bancada do PSOL.

“Levantamento feito pelo jornal Estadão mostra que Mendonça trocou nove pessoas indicadas por Moro para compor a Seopi. No total, a Seopi é formada por quatro diretorias e dez coordenadorias”, concluem os psolistas.

A informação é do PSOL.