Covid-19: EUA têm 22 milhões de demissões em quatro semanas

Fila do seguro-desemprego nos Estados Unidos lembra as filas pelo auxílio emergencial de R$ 600 no Brasil.
Com novos 5,245 milhões pedidos de seguro-desemprego feitos entre 5 e 11 de abril, os Estados Unidos acumulam 22 milhões de demissões nas últimas 4 semanas, informou nesta quinta-feira (15) o jornal New York Times.

Os dados são calculados a partir da somatório de funcionários que pediram o auxílio e são um bom indicativo de que como está o mercado de trabalho do país. As demissões aconteceram principalmente devido ao coronavírus.

Os novos pedidos de auxílio-desemprego tiveram queda de 1,37 milhão na semana passada, já que na semana anterior foram 6,615 milhões de pedidos.

O total ficou acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 5 milhões de solicitações.

O fundo do poço ainda está longe para o trabalhador nos EUA

A devastação da pandemia de coronavírus se tornou mais evidente na quinta-feira, com mais de 5,2 milhões de trabalhadores adicionados à contagem de desempregados.

O último número do Departamento do Trabalho, refletindo as reivindicações iniciais de desemprego da semana passada, eleva o total de quatro semanas para cerca de 22 milhões, aproximadamente o número líquido de empregos criados em um período de nove anos e meio iniciado após o último recessão e terminou com a chegada da pandemia.

Ele ressalta como a tendência se espalhou por todos os cantos da economia: hotéis e restaurantes, grandes varejistas, fabricantes e redutos de colarinho branco, como escritórios de advocacia.

“Não há onde se esconder”, disse Diane Swonk, economista-chefe em Grant Thornton, em Chicago. “Esta é a recessão mais profunda, mais rápida e mais ampla que já vimos.”

Algumas das novas reivindicações de desemprego representam trabalhadores recém-demitidos; outros são de pessoas que tentaram arquivar por uma semana ou mais. “Ainda estamos tentando recuperar o atraso em várias frentes”, disse Swonk.

Cada dia parece trazer marcos indesejados. Na quarta-feira, o Departamento de Comércio registrou a maior queda mensal nas vendas no varejo desde que a manutenção de registros começou há quase 30 anos, e o Federal Reserve disse que a produção industrial registrou seu maior declínio desde 1946.

Os números crescentes de desemprego parecem estimular o debate sobre por quanto tempo impor ordens de permanência em casa e restrições à atividade comercial.

O presidente Trump disse que algumas medidas devem ser relaxadas em breve por causa do impacto sobre os trabalhadores. “Tem que haver um equilíbrio”, disse ele em uma coletiva de imprensa quarta-feira à noite. “Temos que voltar ao trabalho.”

LEIA TAMBÉM
Covid-19 produz famintos durante pandemia em Nova York

EUA culpam Trump pela demora no combate ao coronavírus, enquanto o Brasil desconfia de Bolsonaro

Revista alemã põe respirador na Estátua da Liberdade; ‘Véio da Havan’ protesta

Donald Trump aproveita pandemia do coronavírus para demitir cozinheiros e empregadas domésticas

A revista Forbes conta que o Trump’s Doral Resort demitiu 25 cozinheiros, 43 empregadas domésticas e quase 500 outros funcionários devido a coronavírus.

O Trump National Doral, o problemático hotel e campo de golfe do presidente Donald Trump, em Miami, está demitindo 560 funcionários devido ao impacto do coronavírus, de acordo com um aviso enviado às autoridades da Flórida.

O resort de luxo “foi forçado a realizar demissões temporárias e colocar seu pessoal não essencial em status temporário de dispensa ou licença” por um período não especificado, de acordo com o aviso, embora a Organização Trump tenha escrito que os cortes de empregos serão temporários.

“As posições afetadas consistem em grande parte de funcionários de serviços de alimentação e bebidas, funcionários de serviços de hotel e funcionários de operações de campos de golfe”, segundo o aviso.

Isso inclui pelo menos 123 servidores, 43 empregadas domésticas, 25 cozinheiros e 13 atendentes de carrinho e sacola.

Empregados com títulos mais altos, como gerente sênior de vendas e chefe de golfe profissional, também estão entre os demitidos.

O Trump National Doral já estava com dificuldades antes que as ordens de permanência em casa, mandatadas pelo governo, interrompessem o fluxo de visitantes e jogadores de hotel.

De longe, a maior e mais importante propriedade de golfe da Organização Trump, Doral, foi atingida com mais força do que qualquer outro clube do portfólio do presidente desde que Trump entrou na política.

A Forbes acompanha o declínio do resort desde que Trump anunciou sua candidatura.

Em maio de 2016, um alto executivo da Doral disse a um grupo de avaliadores de campos de golfe que o negócio estava sofrendo. O motivo: a retórica inflamada da campanha de Trump.

A propriedade historicamente atraiu grande parte de sua clientela do Nordeste, onde Trump é amplamente impopular. Ao mesmo tempo, grandes nomes como Nascar e PGA Tour tiraram eventos de Doral em meio a escrutínio público.

As coisas não melhoraram depois que Trump conquistou a presidência.

Uma fonte que conhece os negócios de Doral disse à Forbes que o resort perdeu 100.000 noites reservadas logo após a eleição.