Bolsonaro começa a reforma ministerial; Onyx na Cidadania e general Braga Netto na Casa Civil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deu início nesta quinta-feira (13) à sua primeira reforma ministerial desde que assumiu o governo há um ano e 42 dias.

Bolsonaro tirou Onyx Lorenzoni (DEM-RS) da Casa Civil e o rebaixou para o Ministério da Cidadania, que cuida de programas sociais como o Bolsa Família.

A reforma ministerial do presidente levou o general do Exército Walter Souza Braga Netto, ex-interventor no Rio em 2018, o que significa uma maior militarização do governo.

Os ministérios já são ocupados, além de Braga Netto, por outros dois generais: Luiz Eduardo Ramos, na Secretaria de Governo, e Augusto Heleno, na GSI.

LEIA TAMBÉM
Falabella sobre comparação entre Paulo Guedes e Caco Antibes: “Vergonha para o ministro”

Conselheira Tutelar cassada por “Lula Livre” será empossada em Curitiba

OAB manifesta apoio à jornalista Patrícia Campos Mello

Osmar Terra (MDB-RS), que ocupava a Cidadania, foi despachado de volta para a Câmara dos Deputados.

Iniciada hoje, a reforma ministerial pode ainda avançar até março.

O governo estuda, também, demitir o ministro da Educação, Abraham Weintraub, desgastado com frequentes bate-bocas com parlamentares e com erros no Enem.

A recriação do Ministério da Segurança Pública, desmembrando a área da Justiça, ainda continua no radar de Bolsonaro. O nome mais cotado para a pasta é o do ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF), ex-coordenador da bancada da bala no Congresso Nacional.