marco aurelio melo

Marco Aurélio Mello, do STF, sai em defesa de Glenn Greenwald

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, classificou como “problemático” e “perigoso” o cerceamento da liberdade de expressão no indiciamento do jornalista americano Glenn Greenwald pelo Ministério Público Federal (MPF).

Marco Aurélio disse que caberá aos tribunais a correção das decisões equivocadas e iniciativas que conflitam com a ordem jurídica, qual seja, que configuram abuso de poder do MPF.

Para o ministro do STF, é um problema quando afeta a liberdade de expressão. “É problemático”, opinou.

“No campo da informação, não cabe adotar postura que iniba a arte de informar. Eu tenho uma concepção própria. Jamais processaria um jornalista, e há colegas em geral, que processam. [Com a denúncia], Você acaba indiretamente cerceando [a liberdade de expressão], o que não é bom em termos culturais, nem em termos de avanço social. É sempre perigoso”, afirmou Marco Aurélio Mello ao Painel, na Folha de S. Paulo.

“Vingança” do MPF seria por causa da Vaza Jato

Em 9 de junho passado, o site The Intercept Brasil inciou uma série de reportagens denominada “Vaza Jato” com base em mensagens vazadas do Telegram de procuradores da força-tarefa e do ex-juiz Moro.

Em diversos momentos, Greenwald sustentou publicamente que Sérgio Moro era “criminoso” e que transformou o cargo de juiz, em conluio com a Lava Jato, num trampolim político.

Ainda com base nos arquivos do Telegram, o jornalista americano afirmara que Moro e o coordenador da força-tarefa Deltan Dallagnol prenderam o ex-presidente Lula para garantir a vitória eleitoral de Jair Bolsonaro (sem partido) na eleição de 2018.

O Blog do Esmael se solidariza com o jornalista Glenn Greenwald e condena veementemente mais esta violação à liberdade de expressão no País.

LEIA TAMBÉM
Em nota, PT diz que denúncia do MPF contra Greenwald é vingança

ONU quer explicações do governo sobre ação contra Glenn Greenwald

Lula e Dilma veem abuso contra a liberdade de imprensa pelo MPF

Lava Jato-RJ x Lava Jato-PR: cai a “Serra Pelada” das delações premiadas