globo record censuram entrevista lula

Rede Globo teria pago R$ 450 mil em propina para Lula, sugere TV Record

O feitiço virou contra o feiticeiro, segundo a TV Record. Sua concorrente, a Rede Globo, teria pago R$ 450 mil por uma palestra ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2013, de acordo com relatório da Polícia Federal do Paraná.

A tese da emissora do bispo Edir Macedo é que se houve propina na contratação de palestras do ex-presidente Lula pela Odebrecht, por consequência, também houve pagamento de propina pela Globo ao petista. Ou seja, pau que bate em Chico igualmente bate em Francisco.

O inquérito que indicia o petista afirma que Infoglobo Comunicação e Participações, do Grupo Globo, pagou R$ 450.132,41 para o Instituto Lula por meio da empresa Lils Palestras e Eventos LTDA. Mas a Record, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, sugere que se tratou de propina disfarçada de doação.

A PF afirma que o repasse da empresa do Grupo Globo corresponde a apenas 1,6% dos mais de R$ 28 milhões verificados no registro de movimentações bancárias em favor da companhia do ex-presidente entre julho de 2011 e janeiro de 2016.

LEIA TAMBÉM
Lava Jato quer ajudar Sérgio Moro ser presidente da República em 2022

Advogado de Lula contesta indiciamento por doações ao Instituto Lula

Vaza Jato: Delação de Cunha atormenta Moro, Dallagnol e Lava Jato

A Infoglobo diz que participa de iniciativas que contribuem para o desenvolvimento e a promoção do Rio de Janeiro e ressalta que, em 2013, “apoiou a Fecomércio-RJ na realização de um seminário sobre o Mapa do Comércio no Estado do Rio”. “Além de divulgar o evento em seus jornais, a Infoglobo arcou com os custos dos palestrantes, inclusive do ex-presidente Lula”, afirma a empresa do Grupo Globo.

Apesar de a TV Record sugerir que se houve propina nas palestras da Odebrecht também ocorreu na da Globo, o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins, contestou veementemente o inquérito da PF:

“O indiciamento é parte do Lawfare promovido pela Lava Jato de Curitiba contra o ex-presidente Lula e não faz nenhum sentido: as doações ao Instituto Lula foram formais, de origem identificada e sem qualquer contrapartida. À época das doações Lula sequer era agente público e o beneficiário foi o Instituto Lula, instituição que tem por objetivo a preservação de objetos que integram o patrimônio cultural brasileiro e que não se confunde com a pessoa física do ex-presidente.”

Mais incrível ainda é que a PF, mesmo afirmando não ter encontrado irregularidades nas palestras, indiciou o ex-presidente Lula. Pode isso, Arnaldo?

Clique aqui para ler a íntegra do relatório da PF sobre as palestras do ex-presidente Lula.