Lava Jato quer ajudar Sérgio Moro ser presidente da República em 2022

Já foi dito aqui no Blog do Esmael, várias vezes, que uma hipotética candidatura do ex-presidente Lula (PT) ajudaria o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no projeto de reeleição, mas a ausência do petista no pleito acabaria com o sonho presidencial do ministro Sérgio Moro.

Pois é nesse contexto eleitoral de 2022 que se move a força-tarefa Lava Jato. Um partido político disfarçado de justiceiro que combate a corrupção, etc., como demostrou as reportagens da Vaza Jato.

Nesta semana de Natal, a Polícia Federal do Paraná indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sob suspeita de corrupção passiva (SIC) e suposta lavagem de dinheiro com repasses de R$ 4 milhões ao Instituto Lula pela empreiteira Odebrecht.

Ocorre que a tipificação “corrupção passiva” só é possível quando o agente é funcionário público, que comete crime contra a administração. As investigações são referentes ao ano de 2015, portanto Lula já não era presidente da República e o inquérito é inepto para prosseguir. Um simples habeas corpus seria suficiente para trancar essa aberração.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro e Moro ‘batem boca’ sobre ‘juiz de garantias’

“O juiz de garantias vai proteger contra abusos como os de Moro”, diz Freixo

Vaza Jato: Delação de Cunha atormenta Moro, Dallagnol e Lava Jato

No caso concreto, o indiciamento de Lula parece ser mais um panfleto de propaganda política pró-Moro do que efetivamente uma investigação séria contra o petista. Não resistiria ao crivo de um “juiz de garantias”, por exemplo

O indiciamento da PF, no entanto, não significa que o atual juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Luiz Antônio Bonat, irá receber e processar a denúncia.

Moro tenta manter-se no noticiário político porque é candidatíssimo à sucessão do presidente Jair Bolsonaro. Esses novos factoides tem o fito de criar uma cortina de fumaça para sua derrota no pacote anticrime, que, por sua causa, estabeleceu a criação do juízo de garantia nos casos penais. Além disso, a presença de Lula numa eleição presidencial teria para o ex-juiz o mesmo efeito que tem o alho para o Drácula.