Manuela: o hacker não é meu, é do Moro

Compartilhe agora

A ex-deputada Manuela d’Ávila (PCdoB), por meio de nota oficial, deixou claro que o suposto hacker Walter Delgatti Neto não tem nada a ver com ela. Além dizer que o dito cujo não é dela, tacitamente, disse que o “Djanho” é coisa do ministro Sérgio Moro.

A ex-deputada se colocou à disposição para prestar esclarecimentos, orientou seus advogados a entregarem à polícia cópias das mensagens que recebeu e colocou seu aparelho celular à disposição da perícia.

LEIA TAMBÉM
“Moro é uma invenção da grande imprensa”, diz Reinaldo Azevedo

PT pede a prisão de Moro e Dallagnol

Os novos diálogos do palestrante Deltan Dallagnol na XP Investimentos

ABI diz que portaria de Moro é inconstitucional e é abuso de poder

Abaixo, a íntegra da nota de Manuela:

Nota à imprensa

Tomando ciência, pela imprensa, de alusões feitas ao meu nome na investigação de fatos divulgados pelo “The Intercept Brasil”, e por me encontrar no exterior em atividades programadas desde o início do corrente ano, esclareço que:

1. No dia 12 de maio, fui comunicada pelo aplicativo Telegram de que, naquele mesmo dia, meu dispositivo havia sido invadido no Estado da Virginia, Estados Unidos. Minutos depois, pelo mesmo aplicativo, recebi mensagem de pessoa que, inicialmente, se identificou como alguém inserido na minha lista de contatos para, a seguir, afirmar que não era quem eu supunha que fosse, mas que era alguém que tinha obtido provas de graves atos ilícitos praticados por autoridades brasileiras. Sem se identificar, mas dizendo morar no exterior, afirmou que queria divulgar o material por ele coletado para o bem do país, sem falar ou insinuar que pretendia receber pagamento ou vantagem de qualquer natureza.

2. Pela invasão do meu celular e pelas mensagens enviadas, imaginei que se tratasse de alguma armadilha montada por meus adversários políticos. Por isso, apesar de ser jornalista e por estar apta a produzir matérias com sigilo de fonte, repassei ao invasor do meu celular o contato do reconhecido e renomado jornalista investigativo Glenn Greenwald.

3. Desconheço, portanto, a identidade de quem invadiu meu celular, e desde já, me coloco a inteira disposição para auxiliar no esclarecimento dos fatos em apuração. Estou, por isso, orientando os meus advogados a procederem a imediata entrega das cópias das mensagens que recebi pelo aplicativo Telegram à Polícia Federal, bem como a formalmente informarem, a quem de direito, que estou à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos sobre o ocorrido e para apresentar meu aparelho celular à exame pericial.

Manuela d’Ávila
26 de julho de 2019