Manifestação contra a impunidade no caso da menina Rachel Genofre

rachelHá sete anos a menina Rachel Genofre, de 9 anos, foi violentada, brutalmente assassinada e teve seu corpo largado dentro de uma mala, num corredor da Rodoviária de Curitiba. Após uma série de investigações que se mostraram insuficientes, a família ainda convive com a dor da perda e com a impunidade.

Para marcar a data e cobrar uma solução para o caso, os movimentos feministas do Paraná organizam uma manifestação nesta quinta-feira (5), com concentração às 16h na Praça Rui Barbosa seguida de uma caminhada até a Rodoferroviária, com um ato marcado para as 18 horas.

Entidades de defesa dos direitos humanos, movimentos sociais e familiares de vítimas da violência contra a mulher já confirmaram presença. Entre eles, a mãe, Maria Cristina, e a tia, Carol Lobo Oliveira. Para elas, o combate à violência contas as mulheres e meninas passa pela elucidação e a justiça no caso da menina Rachel.

Serviço: Ato público pelo fim da violência contra as mulheres e meninas
Data: Quinta-feira, 05 de novembro de 2015
Horário: Concentração às 16h e ato às 18h
Local: Concentração na Praça Rui Barbosa e ato na Rodoferroviária de Curitiba.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I simply want to mention I’m new to weblog and truly loved this web page. More than likely I’m want to bookmark your blog . You amazingly have excellent articles. Thank you for sharing your webpage.

  2. O Ministério Público e a polícia de Curitiba devem uma resposta à sociedade,à família da pequena Rachel.Sete anos de impunidade.Não existe crime perfeito,minha gente!Quem assassinou Rachel?

  3. RAchel, Thainá… quando a polícia descobre os
    assassinos, é ela mesma, que ainda acaba sendo presa.
    Só nos resta rezar para que elas estejam bem na
    outra vida ou dimensão em que estejam agora.

  4. Confesso que este caso é complicado, devido a Rodoviária na época não ter câmeras de monitoramento e como disse o Marcelo Santana, quem deixou o corpo da menina sabia muito bem como era a Rodoviária. Mas fica a incógnita, nenhuma câmera instalada no percurso da menina com o marginal o captou para que pudesse identificar o criminoso? Espero que a nossa polícia não tenha comido bola e deixado o maldoso marginal escapar ou será que o Marcelo tem razão e ai não se pega o bandido? E a mãe de Raquel que não perca as esperanças, pois se a justiça dos homens falha a JUSTIÇA DIVINA NÃO, este bandido já está encomendado para o colo do cramunhão.

  5. No subsolo da rodoferroviária tem uma área enorme e sem iluminação, salvo o depósito de materiais e uma oficina da manutenção. Quando apareceu o retrato falado do suspeito de assassinar a raquel tinha um funcionário que trabalhava na urbs que conhecia esse subsolo e era bem parecido com o suspeito na época da exibição do retrato falado ele estava fora da urbs há meses. É claro que pode ser apenas uma coincidência , mas que o assassino da raquel conhecia bem a rodoferroviária isso conhecia.

  6. Violência contra mulher. Até as postagens são ignoradas.