Por Esmael Morais

“Escola sem Partido” bate na trave e não avança na Assembleia Legislativa

Publicado em 16/11/2015

É flagrante a inconstitucionalidade da lei, que fere os princípios da liberdade de expressão e do livre exercício do magistério. Como está, o projeto deverá ser reprovado na CCJ. Por isso mesmo, Gilson de Souza solicitou o adiamento. Para tentar salvar o projeto, o deputado do PSC deverá alterar a redação para deixar a “mordaça” menos apertada.

Em reunião na manhã de hoje, a executiva do PMDB decidiu por unanimidade orientar os deputados da legenda a votarem contra a matéria, caso ela chegue ao plenário.

E por fim, a dita “Bancada do Camburão” também parece não estar disposta a sofrer mais esse desgaste para contemplar sua porção evangélica. Já foram tantos ataques aos professores e à educação pública neste ano, que é melhor deixar essa passar batido.