Fruet sofre cerco da ‘tarifa zero’ na região metropolitana de Curitiba

Em junho de 2013, jovens foram às ruas para pedir 'tarifa zero' em Curitiba; tema volta ao debate nas vésperas das eleições devido iniciativa da Prefeitura de Tijucas do Sul, região metropolitana, que, após 25 anos de concessão, vai implantar tarifa gratuita para todos os moradores; prefeito Gustavo Fruet vai encarar esse debate ou “afrouxará o sutiã” para a máfia do transporte?

Em junho de 2013, jovens foram às ruas para pedir ‘tarifa zero’ em Curitiba; tema volta ao debate nas vésperas das eleições devido iniciativa da Prefeitura de Tijucas do Sul, região metropolitana, que, após 25 anos de concessão, vai implantar tarifa gratuita para todos os moradores; prefeito Gustavo Fruet vai encarar esse debate ou “afrouxará o sutiã” para a máfia do transporte?

O pequeno município de Tijucas do Sul, na região metropolitana, a 50 km de Curitiba, decidiu municipalizar o transporte público a partir do próximo dia 4 de dezembro quando vence a concessão de 25 anos.

A Prefeitura vai oferecer ‘tarifa zero’ para os 15 mil potenciais usuários tijucanos-do-sul. Atualmente, o serviço concessionado tem tarifa que custa entre R$ 3,50 e R$ 5.

O secretário municipal de Administração de Tijucas do Sul, Hélio Marcos de Oliveira, ao jornal Gazeta do Povo, explicou com simplicidade a “mágica” que possibilitou a tarifa zero:

“Para manter o preço atual da tarifa, teríamos que subsidiar um pouco. Entre isso e deixar a tarifa gratuita, decidimos investir um pouco mais e adotar a tarifa zero”.

Ou seja, o município eliminou o agenciamento que a máfia do transporte coletivo vinha fazendo o qual come um “subsídio” danado há 25 anos.

Se a tarifa zero no transporte público é possível num pequeno município, como comprovou Tijucas de Sul, também o é nos grandes municípios. No caso de Curitiba, pela quantidade de usuários, o custo da operação tende a ser menor, ou seja, a tarifa gratuita seria ainda mais crível na capital de todos os paranaenses.

O diabo é que a Prefeitura de Curitiba não almeja desvencilhar-se da máfia que domina o setor há décadas. Pelo contrário. As empresas de ônibus são peças-chave no financiamento de campanhas eleitorais.

Portanto, mesmo sob cerco da tarifa zero na região metropolitana, a Curitiba de Gustavo Fruet deverá resistir à gratuidade.

Em várias cidades do Paraná e do Brasil já se adota a ‘tarifa zero’ com grande sucesso de crítica e público.

Está aí um belo tema para os debates nas eleições de 2016.

Comentários encerrados.